Conselho do BCE mostra preocupação com juros negativos

281
Sede do Banco Central Europeu (BCE), em Frankfurt. Foto: Divulgação/ BCE

São Paulo – Alguns membros do Conselho do Banco Central Europeu (BCE) mostraram preocupação sobre os impactos do uso prolongado de taxas de juros negativas, de acordo com a ata da reunião dos dias 11 e 12 de dezembro.

“Alguns membros destacaram a necessidade de estar atento aos possíveis efeitos colaterais das atuais medidas de política monetária, que mereceram monitoramento próximo no próximo período”, diz o documento.

Segundo a ata, alguns membros do Conselho sugeriram seu impacto na intermediação bancária e nos mercados de ativos – ações, habitação e mercado imobiliário – devem ser cuidadosamente monitorados, bem como as saídas de capital da Europa.

“Também foi manifestada preocupação quanto ao potencial impacto das taxas de juro negativas sobre as famílias da zona do euro, com a dinâmica da poupança e do consumo também exigindo também um acompanhamento de perto”, de acordo com a ata.

Na reunião de dezembro, a primeira de Christine Lagarde como presidente do BCE, o Conselho manteve a política monetária inalterada, após cortar, em setembro, a taxa de depósitos em 0,1 ponto percentual (pp), para -0,5% ao ano, e lançar um novo programa de compra de ativos de 20 bilhões de euros por mês a partir de novembro, entre outras medidas.

O BCE reiterou, na ata da reunião de dezembro, que “espera que as principais taxas de juros do BCE permaneçam em seus níveis atuais ou mais baixos, até que as perspectivas da inflação convergissem fortemente para um nível suficientemente próximo, mas abaixo de 2%”.