Condições econômicas no Japão pioraram, diz Tankan

134

Por Cristiana Euclydes

São Paulo – As condições econômicas das empresas japonesas pioraram entre junho e setembro deste ano, segundo a pesquisa trimestral Tankan realizada pelo Banco do Japão (BoJ). O levantamento foi feito com 9.719 empresas de diferentes tamanhos, sendo 4.004 indústrias e 5.715 empresas de serviços.

O índice que mede o sentimento das grandes indústrias em relação à situação atual registrou 5 pontos em setembro, uma queda de 2 pontos em comparação com junho. O BoJ calcula o indicador fazendo a subtração entre o número de empresas que classificam as condições como favoráveis e as que consideram as condições ruins, logo, quando maior o número, mais empresas estão otimistas.

Para a indústria de médio porte, o índice passou de 5 pontos em junho para 2 pontos em setembro e, para as pequenas, o dado caiu de -1 ponto para -4 pontos. Para os próximos três meses, as grandes indústrias preveem recuo de 7 para 2 pontos, as médias preveem queda de zero para -1 pontos, e as pequenas preveem que o índice cairá de -5 para -9 pontos.

Já no setor de serviços, o índice das grandes empresas caiu de 23 pontos em junho para 21 pontos em setembro. Nas médias prestadoras de serviço houve estabilidade em 18 pontos, e nas pequenas o dado ficou inalterado em dez pontos.

Em relação aos próximos três meses, as grandes empresas de serviços preveem queda de 17 para 15 pontos, as médias estimam baixa de 11 para 9 pontos e as pequenas, recuo de 3 para 1 ponto.