Companhia adquire marcas da Takeda na AL por US$ 825 mi

184

São Paulo – A Hypera disse que celebrou acordo com a Takeda Pharmaceutical International para aquisição de 18 selecionados medicamentos isentos de prescrição (OTC) e de prescrição na América Latina pelo preço de US$ 825 milhões.

A farmacêutica afirmou que assegurou com bancos linhas de crédito de R$ 3,5 bilhões para financiar a transação.

O portfólio a ser adquirido registrou receita líquida de R$ 900 milhões em 2019, sendo que no Brasil correspondeu a 83% desse valor e o México a 15%. Os produtos são de áreas como cardiologia, diabetes, endocrinologia, gastrenterologia, sistema respiratório e clínica geral, além de marcas como Neosaldina, a terceira maior marca de medicamentos OTC no Brasil, e Dramin, assim como o patenteado Nesina.

Após essa conclusão e a aquisição do Buscopan, a Hypera passa a ser a maior empresa farmacêutica do Brasil e a líder absoluta em OTC, com participação de mercado de aproximadamente 20%, sendo que o concorrente mais próximo tem 11%, detendo duas das três maiores marcas de medicamentos OTC no país.

“A transação permitirá que a companhia continue a expandir seu singular e não replicável portfólio de marcas líderes com faturamento anual acima de R$ 100 milhões e a fortalecer sua posição em segmentos estratégicos do mercado”.

Essa aquisição será a maior da história da companhia e está em linha com o seu já reconhecido foco estratégico de expansão de market share e investimento em marcas líderes com alto potencial de crescimento.

A Hypera e a Takeda também assinarão acordo de fabricação e fornecimento em conexão com a operação, por meio do qual a Takeda continuará a fornecer produtos à companhia. Além disso, a empresa ampliará o time de vendas e marketing com uma equipe de aproximadamente 300 pessoas que será transferida da Takeda.

A expectativa é que a operação ocorra até o final de 2020 e que está sujeita a determinadas condições precedentes estabelecidas no contrato, que incluem a aprovação dos órgãos antitruste e a aprovação dos acionistas.