Com surto de casos, Biden pede que estados paguem US$ 100 para quem se vacinar

Foto: Karolina Grabowska / Pexels

São Paulo – A disparada de casos de covid-19, hospitalizações e mortes ligadas à variante Delta do coronavírus nos Estados Unidos fez o governo de Joe Biden oferecer US$ 100 na tentativa de fazer as pessoas a se vacinarem no país. Junto com o bônus, o presidente norte-americano anunciou um pacote de medidas de incentivo à imunização.

“Meu governo hoje está anunciando novos passos para acelerar a vacinação contra a covid-19. Peço aos governos estaduais que usem a verba do pacote de alívio ao novo coronavírus para oferecer US$ 100 para as pessoas que se vacinarem”, disse ele em coletiva na Casa Branca.

Além desse incentivo, Biden também reembolsará as empresas que liberarem funcionários para se vacinarem ou acompanharem familiares na imunização. Ele pediu ainda que o Departamento de Defesa inclua a vacina contra a covid-19 na lista de exigências para militares norte-americanos, afirmando que a medida não fere a legislação dos Estados Unidos.

“As empresas que desejarem fechar acordos com o governo norte-americano precisarão comprovar que vacinaram todos os seus funcionários”, afirmou ele citando outra medida adotada pelo governo hoje.

No discurso, Biden alertou que uma explosão de casos deve acontecer nos Estados Unidos por conta da variante Delta – inicialmente detectada na India e mais contagiosa -, especialmente em áreas do país com baixa taxa de vacinação.

“Virtualmente, todos os casos, hospitalizações e mortes por covid-19 nos Estados Unidos agora estão ocorrendo entre pessoas que não foram vacinadas”, disse ele. “A única maneira de não corrermos o risco de voltar a fechar a economia como no início do ano passado é fazendo com que todas as pessoas elegíveis tomem as vacinas, que são eficientes e seguras contra a covid-19”, acrescentou.

Sobre a recomendação que o Centro de Prevenção e Controle de Doenças (CDC, na sigla em inglês) dos Estados Unidos voltou a adotar nesta semana para o uso de máscara entre as pessoas totalmente vacinadas, Biden afirmou que isso só aconteceu porque as pessoas não estão se imunizando.

Na segunda-feira, o CDC voltou a recomendar o uso de máscaras para pessoas que completaram o ciclo de imunização – medida que havia sido suspensa em maio e que voltou a valer para locais públicos, fechados e escolas.

“O governo seguirá a ciência e a recomendação do CDC foi baseada na ciência”, disse Biden. “As escolas vão e devem reabrir após as férias de verão. Para isso, o governo forneceu bilhões de dólares que devem ser usados em medidas de segurança contra a covid-19”, afirmou ele, acrescentando que 90% do pessoal que atua em escolas públicas norte-americanas, incluindo professores, estão totalmente vacinados.

Biden foi questionado sobre a necessidade de uma dose de reforço pelos jornalistas que acompanhavam seu discurso. Ele acredita que no futuro será necessário que mais uma dose seja aplicada, embora tenha dito que não há recomendação para isso.

“Neste momento, não há recomendação para uma dose de reforço, mas o governo está preparado para isso. Acredito que no futuro isso aconteça, mas não posso garantir porque não há indicação científica para essa dose extra”, afirmou.

Os dados mais recentes do CDC mostram que o número de pessoas completamente vacinadas contra a covid-19 nos Estados Unidos chegou a 163.588.042, ou o equivalente a 49,3% da população. Os norte-americanos que tomaram apenas uma dose somam 189.494.180, ou 57,1% da população.

Já os casos de covid-19 dispararam no país, passando de uma média de 13 mil em sete dias para mais de 55 mil, ainda de acordo com o CDC.