Chefe do FMI pede que países mais sólidos façam mais para conter crise

130
A diretora gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Kristalina Georgieva / Foto: Joshua Roberts/FMI

São Paulo – Os países com economias mais fortes e situação mais sólida devem fazer mais para conter a crise provocada pelo novo coronavírus, disse a diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Kristalina Georgieva, em evento realizados pela Bloomberg na manhã de hoje.

Neste sentido, Georgieva afirmou que os países vão se recuperar mais lentamente caso se escondam em suas fronteiras. Segundo ela, o vírus atinge determinados grupos de pessoas e de países com mais intensidade, o que ressalta a necessidade de cooperação. “O melhor que temos a fazer é aprender juntos e respondermos juntos”.

Para a chefe do FMI, é preciso pensar que a crise será dividida em fases e que há um longo caminho a ser percorrido até uma nova normalidade. Para que essa retomada seja garantida, Georgieva disse que o Fundo está disposto a apoiar as economias integralmente.
“Nosso foco é o mesmo dos governos: oferecer linhas de crédito para que os países possam absorver os choques”, afirmou.