Centrais sindicais querem manter auxílio emergencial em R$ 600

143
Moeda Nacional, Real, Dinheiro, notas de real. (Foto: Marcello Casal Jr / Agência Brasil )

São Paulo – As centrais sindicais criticaram a decisão do governo de reduzir a R$ 300 o valor das quatro parcelas adicionais do auxílio emergencial anunciadas mais cedo pelo governo, e afirmaram que as parcelas extras deveriam preservar o valor original do benefício, de R$ 600.

“Considerando que os impactos sociais e econômicos da crise sanitária já se se provam muito mais longos do que os inicialmente prospectados, com efeitos dramáticos sobre os empregos e as ocupações, bem como sobre as empresas e a dinâmica econômica, consideramos essencial que as inciativas continuem no sentido de sustentar a renda das pessoas e famílias, estendendo os efeitos positivos de proteção social e de manutenção da demanda das famílias”, disseram as centrais em nota conjunta.

“As centrais sindicais rejeitam a medida anunciada nesta terça-feira (1) pelo governo que reduz à metade o valor do auxílio emergencial; propõem e defendem que o Congresso Nacional prorrogue até dezembro o benefício do Auxílio Emergencial de R$ 600,00, com os mesmos critérios de acesso e para o mesmo universo de pessoas credenciadas que ainda necessitam do benefício”, afirmaram.