Câmara aprova impeachment de Trump com apoio de republicanos

166
O ex-presidente dos Estados Unidos, Donald Trump. Foto: Divulgação/ Casa Branca

São Paulo – A Câmara dos Deputados dos Estados aprovou o impeachment do presidente norte-americano, Donald Trump, com 232 votos favoráveis e 197 votos contra e quatro abstenções. O processo segue agora para o Senado, onde a votação ainda é incerta.

Essa é a segunda vez em 13 meses que os deputados decidem pela impugnação de Trump, algo que nunca havia acontecido na história do país. Ao contrário de dezembro de 2019, na votação de hoje, dez republicanos apoiaram o impeachment do presidente norte-americano.

Após sete horas de processos e debates, os deputados votaram em favor de uma resolução que inclui um artigo que acusa o presidente norte-americano de incitar a insurreição pelos eventos da semana passada no Capitólio.

Na última quarta-feira, apoiadores de Trump invadiram o Capitólio depois que o presidente norte-americano pediu que as pessoas fossem até o local para contestar os resultados da eleição de novembro. Na ocasião, deputados e senadores estavam certificando a vitória de Joe Biden.

Os artigos de impeachment seguem agora para o Senado, que não deve se reunir antes do dia 19 de janeiro. O próximo líder da maioria no Senado, o democrata Chuck Schumer, está explorando um esforço para usar poderes de emergência para convocar o Senado de volta antes dessa data, mas o líder da maioria na casa, o republicano Mitch McConnell, precisaria concordar.

Em carta aos republicanos mais cedo, McConnell disse que ainda não tomou uma decisão final sobre a votação de impeachment do presidente norte-americano em meio às especulações de que ele não deve chamar uma sessão de emergência para o caso.

“Embora a imprensa esteja cheia de especulações, não tomei uma decisão final sobre como vou votar e pretendo ouvir os argumentos legais quando forem apresentados ao Senado”, escreveu ele aos seus colegas republicanos.

Mais cedo, a imprensa norte-americana informou que McConnell teria rejeitado a possibilidade de convocar uma sessão de emergência do Senado para votar o processo de impeachment.