Butantan desenvolve nova vacina contra covid-19

Imagem microscópica do coronavírus
Imagem microscópica do coronavírus causador da covid-19. (Foto: Hannah A Bullock e Azaibi Tamin/CDC)

São Paulo – O Instituto Butantan desenvolveu uma nova vacina contra a covid-19 – a Butanvac – que poderá ser produzida inteiramente no Brasil, sem a necessidade de importação de insumos – fator que tem atrasado a produção de imunizantes por aqui. A vacina, porém, ainda precisa ser testada em pessoas, e para isso é necessária aprovação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

O diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas, disse que enviará hoje à Anvisa a documentação para solicitar a autorização de pesquisa clínica – o Dossiê de Desenvolvimento Clínico de Medicamento (DDCM). Segundo ele, a expectativa é de que os testes durem até dois meses – no máximo três meses – e que a vacina possa ser usada a partir do segundo semestre.

“Protocolaremos material ainda hoje, vamos dialogar intensamente com a Anvisa para que perceba importância da autorização”, disse ele. “A vacina será produzida integralmente aqui. Não dependeremos da importação de nenhum insumo.”

Covas afirmou que a previsão de um rito mais acelerado para a aprovação do uso da Butanvac é motivada pelo fato de já haver vacina semelhante aprovada pela Anvisa – a da gripe – e porque o estudo pode ser feito de forma comparativa com as demais vacinas que estão em uso atualmente. “Não é estudo de nova vacina de que não se conhece nada a respeito do assunto.”

Além disso, ele acrescentou que houve um ganho de experiência na condução de ensaios clínicos por parte do Butantan no último ano e acredita que não haverá problemas para conseguir voluntários para os testes.

“Estamos fazendo estudo clínico [de uma vacina contra a covid-19 desenvolvida pela Sinovac] na cidade de Serrana, vacinando mais de 27 mil pessoas. Ganhamos muita experiência neste período.

Covas acrescentou que os testes feitos em animais indicaram que podem ser usadas doses menores por pessoa para atingir a imunização. A tecnologia usada nesta vacina é a mesma usada pelo Instituto Butantan nas vacinas contra a gripe, feitas a partir da inoculação do vírus em ovos.

“O Butantan é o maior produtor de vacina da gripe do hemisfério sul. Nossa capacidade da fábrica é de 140 milhões, 150 milhões de doses por ano”, afirmou.

“Não existe nenhuma vacina no mundo [contra a covid-19] que é produzida em ovo. Por que é importante produzir em ovo? Existem muitas fábricas no mundo que usam essa tecnologia para a produção da vacina da gripe. Portanto, essa é uma saída numa situação epidêmica. É muito barato, é muito mais barato do que essa vacinas que são produzidas com tecnologias mais modernas. E é seguro. A vacina da gripe é a mais utilizada no mundo. O perfil de segurança é excelente”, afirmou.

Covas, porém, não divulgou o preço estimado da vacina. Ele disse que o custo de desenvolvimento da vacina é baixo e ressaltou que o custo maior será o do estudo clínico – que será financiado pelo Instituto Butantan e pelo governo de São Paulo.

O diretor do Butantan disse que o instituto tem o compromisso de fornecer esta vacina para países de renda baixa e média para permitir que países mais pobres também consigam conter a disseminação da doença. Ele também ressaltou que a nova vacina, apesar de ser produzida com um método mais tradicional, incorpora conhecimentos adquiridos com a primeira geração de imunizantes contra a covid-19.

“Estamos falando de 2a geração de vacinas. Já é vacina 2.0. aprendemos com as vacinas anteriores e agora sabemos o que é uma boa vacina contra a covid. Essa já incorpora algumas destas modificações. É uma vacina que será mais imunogênica”.