BTG vê excesso de pessimismo na avaliação de Suzano e Klabin

Cultivo de eucalipto em indústria de celulose em Mucuri Foto: Amanda Oliveira/GOVBA

São Paulo – O BTG Pactual avaliou que as ações da Suzano e Klabin apresentam um potencial de valorização de 35% em relação aos níveis atuais, devido ao que consideraram como “um alto nível de pessimismo” já precificado pelos investidores e que provavelmente não deve se materializar.

Os analistas destacam que as ações das companhias praticamente apagaram todos os ganhos do ano, na contramão de uma forte melhora dos fundamentos nos últimos meses e de alta dos preços da celulose, devido à uma mudança de interesse dos investidores por ativos domésticos com melhores perspectivas de crescimento, medo de colapso dos preços da celulose, fuga de companhias com projeções elevadas de crescimento e investimentos e impacto negativo da venda da participação do BNDES na Klabin.

“Acreditamos que tanto Suzano quanto Klabin ofereçam um norte de 35% de upside nos níveis atuais, assumindo que os preços de celulose voltem a patamares normalizados e as avaliações parecem estar excessivamente pessimistas e indiscutivelmente irrealistas”, disseram Leonardo Correa e Caio Greiner, em relatório, recomendando a compra das ações.

Às 14h19 (horário de Brasília), as ações SUZB3 e KLBN11 tinham queda de 2,68% e 1,93%, respectivamente, a R$ 57,90 e R$ 25,34.