BTG Pactual reitera recomendação de compra da Gol após divulgação mensal

162
Foto divulgação: Gol Linhas Aéreas

São Paulo – Em relatório, o BTG Pactual disse que, apesar dos números mais fracos reportados pela Gol ontem em seu relatório prévio mensal, reitera a recomendação de compra dos papéis da companhia, devido a sua menor exposição em relação aos pares no mercado internacional, redução da frota e benefícios com uma possível reestruturação com a incorporação das subsidiárias GLA e Smiles, entre outros fatores.

A companhia anunciou a convocação de uma assembleia geral extraordinária, em 15 de março, para discutir os termos da reorganização societária com os acionistas das empresas.

Ontem, a Gol anunciou que, do início dessa crise até o final de fevereiro, terá diminuído sua frota em 15 aeronaves Boeing 737 arrendadas, assim como reduzido em 34 aviões os recebimentos de 737 MAX previstos para 2020-2022.

A análise também incorpora as atualizações da proposta de fusão do negócio Smiles, devido a estimativa de melhorias em diversos indicadores, como redução de custos, capacidade e plano de frota, liquidez e queima de caixa, vendas, anunciadas pela companhia.

Em janeiro, Gol e GLA (Gol Linhas Aéreas) apresentaram uma nova proposta ao conselho de administração da Smiles para combinar as duas subsidiárias operacionais da companhia aérea, a GLA e a companhia de programa de fidelidade e milhagem.

A proposta será submetida aos acionistas das empresas para aprovação em março e a Gol acredita que este será um marco importante para maximizar valor futuro para os acionistas, com ganhos em competitividade, simplificação da governança, reforço da estrutura de capital combinada e redução de custos operacionais, administrativos e financeiros.

Os analistas Lucas Marquiori e Fernanda Recchi também mencionaram na recomendação o melhor posicionamento da companhia para se beneficiar da redução de tamanho e capacidade, a redução gradual do risco de liquidez, ganhos de eficiência com Boeing 737 MAX e a avaliação mais barata em relação a outras empresas do setor.

PROJEÇÕES

Para o primeiro trimestre de 2021, a Gol estima um consumo líquido de caixa em R$ 2 milhões por dia, apontada como conservadora com base no recente aumento do número de casos de Covid-19 no Brasil, informou, em relatório de atualização mensal divulgado ontem.

A empresa estima ter liquidez suficiente para administrar e financiar capital de giro, despesas e serviço da dívida nos próximos meses, período de maior impacto no seu fluxo de caixa e informou que encerrou janeiro com aproximadamente R$ 2,2 bilhões de liquidez total, em função da contração na demanda de viagens devido ao crescimento do número de casos de Covid-19 no Brasil e do aumento de restrições para voos internacionais e pela redução no volume de recebíveis em aproximadamente R$100 milhões, decorrente do menor nível de vendas futuras.

Considerando os valores financiáveis de depósitos e ativos não onerados, as fontes potenciais de liquidez superam R$ 5 bilhões, disse a Gol.

A companhia operará cerca de 371 voos/dia em fevereiro, o que significa cerca de 51% do realizado em fevereiro de 2020.

JANEIRO

Em janeiro, o consumo líquido de caixa da companhia totalizou R$ 1 milhão por dia em janeiro, excluindo o serviço financeiro da dívida e o pagamento de passivos operacionais e representou uma reversão da geração líquida de caixa registrada em novembro e dezembro.

Em janeiro, a Gol registrou capacidade para uma média de 489 voos por dia, um incremento de 3% em relação à média de 476 voos em dezembro.

A companhia registrou redução de 18% no volume de vendas durante esse mês, em função da queda na demanda por viagens e aumento de restrições para voos internacionais decorrente da pandemia de Covid-19.

A receita bruta consolidada mensal da companhia foi de R$ 810 milhões e a taxa de ocupação média foi de 83,2%.

A companhia encerrou janeiro com um total de 128 B737s, sendo oito B737-MAX. Com 90 aeronaves na malha, as operações aéreas diárias cresceram 3% sobre dezembro/20, equivalentes a 59% em decolagens e 63% em ASKs do realizado em janeiro de 2020.

AÇÕES EM QUEDA

Às 15h53 (horário de Brasília), as ações preferenciais da companha (GOLL4) tinham leve queda, de 0,12%, para R$ 24,08.