É muito provável que Reino Unido deixe UE sem acordo comercial, diz Johnson

149
O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson / Foto: Divulgação / Governo britânico

São Paulo – O primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, disse que “é muito, muito provável” que o país deixe a União Europeia (UE) ao final do período de transição, em 31 de dezembro, sem um acordo comercial.

“Estamos sempre esperançosos, como vocês sabem, as negociações continuam”, disse Johnson a repórteres, acrescentando que uma grande mudança na proposta da UE ainda está para ser vista. As equipes de negociação dos dois lados definiram um prazo até domingo para um entendimento.

“Infelizmente, no momento, há muitas questões-chave que parece que nós apenas não conseguimos fazer progressos”, disse Johnson, afirmando que a UE quer o Reino Unido trancado “em qualquer coisa que queiram fazer sobre legislação”, e tem a questão da pesca. “Queremos tomar de volta de controle sobre nossas águas”, disse o premiê.

“Estamos esperançosos de que progressos possam ser feitos, mas tenho que dizer, de onde vejo agora, parece muito, muito provável que tenhamos que ir por uma solução que eu acho que será ótima para Reino Unido”, afirmou. “É diferente do que gostaríamos de alcançar, mas não tenho dúvidas de que este país pode ficar pronto”.

Mais cedo, a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, disse que “as posições permanecem distantes sobre questões fundamentais”, e falou aos líderes da UE que um cenário sem acordo é o mais provável. “Vamos decidir no domingo se teremos as condições para um acordo ou não”, afirmou.

A pesca, igualdade de condições e governança são os três principais pontos de impasse nas negociações. O Reino Unido deixou a UE em janeiro deste ano, mas permanece sob os termos comerciais do bloco até o final do período de transição, enquanto os dois lados negociam um novo arranjo.

Se nenhum acordo comercial for assegurado, as regras da Organização Mundial do Comércio (OMC) entrarão em vigor, incluindo tarifas alfandegárias e controles completos de fronteira para mercadorias do Reino Unido que entram na UE, as mesmas regras plicadas para o comércio atual entre o bloco europeu e a Austrália.