Bolsonaro volta a criticar governadores de SP e MG por restrições

O presidente Jair Bolsonaro durante solenidade de Celebração do Dia Internacional da Juventude, no Palácio do Planalto.

Brasília – O presidente Jair Bolsonaro voltou a criticar os governadores de São Paulo, João Dória e o de Minas Gerais, Romeu Zema pelas novas restrições a Bares e restaurantes que devem fechar às 20 horas e durante o fim de semana devido à pandemia de coronavírus. Segundo o presidente, ele não teria tomado esta atitude.

“A decisão de fechar foi dos governadores, eu não fecharia nada, pediria um socorro. Não podemos botar na rua 6 milhões de pessoas que serão prejudicadas com as medidas de São Paulo e Minas Gerais”, afirmou a jornalistas após encontro com o ministro da Economia, Paulo Guedes.

Segundo o presidente, o governo está estudando medidas de auxílio a estes setores e a resposta deve ser dada em no máximo 15 dias.

Bolsonaro afirmou também que o governo estuda medidas para contar o aumento do óleo diesel. A Petrobras anunciou uma alta nas refinarias de 4,4%, com isso os caminhoneiros anunciaram fazer uma nova greve. A medida seria um aceno a caminhoneiros, em meio a ameaças de greve da categoria.

“Estamos tratando com a Petrobras, mas também tem a ver com a variação e preço lá fora, com a variação do dólar. Estamos estudando a medida, mas não é uma coisa fácil de se fazer. O diesel na refinaria está em um preço razoável, mas até chegar na bomba tem diversos impostos, tem a margem de lucro, tem o transporte. Estamos buscando alternativas, apelamos aos caminhoneiros que não façam greve, todos vamos perder com isso, mas não é fácil de se resolver”.