Bolsa sobe em dia volátil com vencimento de opções; dólar cai

Foto: Pascal Thauvin / freeimages.com

São Paulo – O Ibovespa operou todo o dia em bom humor. No início do pregão, o principal índice da B3 acompanhou o movimento das bolsas no exterior, mas ao longo do dia foi se descolando. O vencimento de opções do índice futuro e a alta das siderúrgicas ditaram os negócios na Bolsa.

O principal indicador de desempenho de ações negociadas na B3 fechou com ganho 0,83%, aos 120.294,68 pontos.

Na avaliação do analista José Costa Gonçalves, da Codepe Corretora, a alta no Ibovespa é atrelada ao vencimento de opções que se dará hoje. Ele disse que no momento da aceleração do Ibovespa [mais de 1%] havia “forte pressão compradora em cima do vencimento do índice”, afirma.  O Ibovespa futuro com vencimento em 21 de abril indicou aumento de 1,23%, aos 120.475 pontos.

Para os analistas da Ativa Investimentos, a boa performance do Ibovespa está atrelada a alta nos papéis das empresas de siderurgia. “A força da Vale e das siderúrgicas afeta positivamente o índice brasileiro por causa da grande participação dessas companhias”, afirmam.  As ações da Vale (VALE3) aumentam 3,30%; Usiminas (USIM5) ganham 4,20% e CSN (CSNA3) sobem 3,17%.

Os papéis das siderurgias subiram ainda “beneficiadas pelas perspectivas de reabertura pós-pandemia e os estímulos fiscais monetários e econômicos fortes para reativar a economia”, dizem os analistas da Ativa Investimentos.

Outro ponto favorável de acordo com o analista da Codepe Corretora foi atribuído à alta do petróleo que chegou a aumentar mais de 5%, após a informação de que os estoques da commodity nos Estados Unidos apresentaram retração maior que o estimado.

Os estoques de petróleo caíram R$5,89 milhões de barris para R$ 492,423 milhões na semana encerrada em 09 de abril. A estimativa de analistas era recuo de 2,5 milhões de barris. Os papéis da Petrobras (PETR3 e PERT4), que fecharam com ganho 1,60% e 1,58% respectivamente.

Os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) confirmaramm a decisão do ministro Luís Roberto Barroso para a abertura da CPI da pandemia no Senado. No momento, os ministros julgam se manterá a anulação das condenações impostas o ex-presidente Lula na Lava Jato.

Perto do fechamento circulou rumores de que o ministério da Economia estaria estudando uma meta fiscal para os temas em relação à Covid ao invés de uma Proposta de Emenda Parlamentar (PEC), e que as despesas com a Covid continuariam fora do teto de gastos. A Economia analisa usar créditos extraordinários para a pandemia. Segundo uma fonte, a informação não impactou o Ibovespa, “na sessão de hoje os investidores só pensam em acertar a posição”, disse. Para ele, “as notícias ficaram um pouco de lado”.

O dólar comercial fechou em queda de 0,83% no mercado à vista, cotado a R$ 5,6690 para venda, após acelerar as perdas na reta final de uma sessão volátil, acompanhando o exterior mais positivo para as moedas de países emergentes em meio à busca por risco global. Aqui, além da entrada de um fluxo de recursos estrangeiros na bolsa (B3), investidores seguiram atentos aos desdobramentos em torno do Orçamento de 2021.

Mais cedo, a maioria dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) votou a favor da abertura de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para averiguar a falta de ação do governo federal no combate à pandemia de covid-19, enquanto saíram novos rumores em torno da proposta orçamentária deste ano.

O diretor superintendente de câmbio da Correparti, Jefferson Rugik, destaca que, apesar da intensa volatilidade na primeira parte dos negócios, a moeda se consolidou em queda ao longo da tarde acompanhando a fragilidade no exterior. “Em dia de procura por risco global”, diz.

Amanhã, dados de atividade nos Estados Unidos e na China são os destaques da agenda de indicadores. Para a economista-chefe da Veedha Investimentos, Camila Abdelmalack, os números da produção industrial, de vendas no varejo e o resultado do Produto Interno Bruto (PIB) chinês no primeiro trimestre têm grande peso na abertura.

“Esses números devem influenciar amanhã, junto com os dados da indústria e do varejo norte-americano. Se os resultados ficarem acima do esperado nos Estados Unidos, a tendência é o dólar ficar mais forte lá fora. O que inibiria a continuidade de uma recuperação por aqui”, pondera.

As taxas dos contratos de juros futuros (DIs) encerraram o dia em queda acompanhando o recuo do dólar em relação ao real em um dia no qual os ativos locais foram beneficiados pela retomada do apetite por risco no exterior e o mercado digere os mais recentes comentários feitos pelo presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto.

Com isso, o DI para janeiro de 2022 fechou com taxa de 4,735%, de 4,790% no ajuste anterior; o DI para janeiro de 2023 projetava taxa de 6,580%, de 6,705%; o DI para janeiro de 2025 ia a 8,30%, de 8,39% antes; e o DI para janeiro de 2027 tinha taxa de 8,95%, de 9,02%, na mesma comparação.

Os principais índices do mercado de ações norte-americano fecharam o dia mistos, com os investidores digerindo os primeiros resultados importantes da temporada de balanços e também avaliando as declarações do presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano), Jerome Powell.

Confira a variação e a pontuação dos índices de ações dos Estados Unidos no fechamento:

Dow Jones: +0,16%, 33.730,89 pontos

Nasdaq Composto: -0,99%, 13.857,80 pontos

S&P 500: -0,40%, 4.124,66 pontos