Bolsa fecha em forte queda acompanhando aversão ao risco no exterior

São Paulo – O Ibovespa encerrou a semana em queda acentuada acompanhando a deterioração do ambiente de negócios em Nova York nesta sexta-feira. O principal índice da B3 caiu 2,53% hoje, encerrando aos 120.348,80 pontos. Na semana, a bolsa recuou 3,78% depois de na semana passada ter estabelecido seu recorde histórico de fechamento.

Segundo operadores das mesas de renda variável, os negócios com ações intensificaram as perdas pouco depois do meio-dia em reação à notícia de que a Pfizer teria alertado a União Europeia (UE) e o Canadá que não será possível entregar os volumes solicitados de vacina contra a covid-19 nas próximas semanas.

O dólar comercial fechou em forte alta de 1,80% no mercado à vista, cotado a R$ 5,3010 para venda, acompanhando o fortalecimento global da divisa norte-americana em meio ao receio dos investidores com a desidratação no Congresso dos Estados Unidos do pacote de estímulos trilionário norte-americano, apresentado ontem. A escalada da segunda onda da covid-19 no mundo e possíveis entraves logísticos relacionados à vacina ajudaram a elevar a aversão ao risco na sessão. Na semana, porém, a moeda recuou 2,12%.

O gerente da mesa de câmbio da Correparti, Guilherme Esquelbek, destaca que a alta da moeda, em toda a sessão, acompanhou o desempenho no exterior, em meio às dúvidas se o pacote de estímulo de US$ 1,9 trilhão apresentado pelo presidente eleito nos Estados Unidos, Joe Biden, será aprovado no Congresso norte-americano na íntegra.

As taxas dos contratos de juros futuros (DIs) encerraram a sessão sem uma direção única, após terem alternado altas e baixas ao longo do pregão. O movimento indefinido refletiu os ajustes de posição dos investidores às vésperas da decisão do Comitê de Política Monetária (Copom), na semana que vem, bem como os ganhos acelerados do dólar, pressionando mais o trecho curto, enquanto os vértices longos ficaram próximos aos níveis do ajuste anterior.

A chance de elevação de impostos com o plano de estímulos de US$ 1,9 trilhão de Joe Biden tomou conta de Wall Street, derrubando os principais índices do mercado de ações norte-americano, que também sentiram o efeito do desempenho mais fraco do varejo, em um novo sinal da fratura que a pandemia ainda provoca na economia do país.

Confira a seguir a variação e a pontuação dos principais índices de ações dos Estados Unidos no fechamento:

Dow Jones: -0,57%, 30.814,26 pontos
Nasdaq Composto: -0,87%, 11.998,50 pontos
S&P 500: -0,71%, 3.768,25 pontos