Boeing 737 Max é seguro para voar, diz regulador da UE

113
Foto: Divulgação/Boeing

São Paulo, 16 de outubro de 2020 – As ações da Boeing chegaram a subir mais de 5% hoje, após os comentários das principais autoridades europeias de segurança da aviação reforçarem o sentimento dos investidores de que a problemática aeronave 737 Max da empresa estava a caminho de retornar ao serviço nos próximos meses. As informações são da agência de notícias “Dow Jones”.

O diretor executivo da Agência Europeia para a Segurança da Aviação (EASA, na sigla em inglês), Patrick Ky, disse em uma entrevista com a “Bloomberg” que ele acha que as alterações propostas abordam suficientemente os problemas com um sistema de controle de vôo implicado em dois acidentes fatais do 737 Max.

“Nossa análise está mostrando que isso é seguro e o nível de segurança alcançado é alto o suficiente para nós”, disse Ky. Uma porta-voz da EASA confirmou que as declarações que ele fez à “Bloomberg”.

O 737 Max, a última iteração da longa série de aviões de passageiros estreitos da Boeing, foi retirado de operação por reguladores na China, Europa e Estados Unidos há mais de um ano e meio depois que foi envolvido nas tragédias duplas com alguns meses de intervalo.

Reguladores dos Estados Unidos, que estão liderando a verificação de hardware, software e mudanças de treinamento de pilotos para a frota, estão se movendo para retornar as aeronaves à operação nas próximas semanas. Os comentários de Ky estão de acordo com esse cronograma geral, projetando uma decisão europeia talvez semanas depois e retomada gradual das operações comerciais do Max no início do próximo ano.

Um total de 346 pessoas morreram nos dois acidentes: uma queda em outubro de 2018 de um jato operado pela Lion Air, e uma queda em março de 2019 de um avião operado pela Ethiopian Airlines.

No mês passado, Steve Dickson, chefe da Administração Federal de Aviação dos Estados Unidos (FAA, na sigla em inglês), deu a mudanças da Boeing no jato um endosso provisório após testes de voo conjunto com pilotos da Boeing e da FAA.

“Ainda temos muito trabalho a fazer” para responder aos comentários públicos e finalizar as revisões, disse Dickson disse após o voo.