Biden volta a pedir que Congresso apoie ajuda militar à Ucrânia

85
O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden / Foto: Casa Branca

São Paulo – O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, pediu ao Congresso que aprovasse novas ajudas militares à Ucrânia numa visita à fábrica Lockheed Martin, onde lança-mísseis portáteis são fabricados para o exército ucraniano. O míssil Javelin, fabricado pela empresa, é uma das armas mais eficazes da resistência ucraniana contra a agressão da Rússia ao país.

Biden elogiou o poder da indústria de guerra dos Estados Unidos em geral e a eficácia dos mísseis Javelin em particular. Segundo Biden, muitos ucranianos estão nomeando seus filhos recém-nascidos Javelin ou Javelina em gratidão pela eficácia desses mísseis.

“Os ucranianos estão enlouquecendo os inimigos russos com essas armas”, disse Biden em discurso no local. “”Precisamos de mais dinheiro para garantir que os Estados Unidos possam continuar a enviar armas diretamente para o front na Ucrânia”, completou.

O presidente acusou a Rússia de cometer atrocidades e “muitos crimes de guerra”, acrescentando que o novo pacote de ajuda para a Ucrânia deve ser aprovado o mais rapidamente possível.

“Se você não enfrentar os ditadores, eles continuarão a vir”, disse o mandatário.

Biden pediu ao Congresso hoje por mais US$ 33 bilhões em ajuda econômica, militar e humanitária à Ucrânia para defender o país da agressão russa. A maior parte dessa ajuda consiste em mais de US$ 20 bilhões em assistência militar e de segurança para manter o fluxo de armas e munições à disposição do governo de Volodymyr Zelensky.

Esse valor inclui US$ 11,4 bilhões para comprar e repor material já enviado; US$ 2,6 bilhões para apoiar o envio de tropas e equipamentos americanos para a região; e US$ 1,9 bilhão para fortalecer a segurança cibernética e fornecer suporte de inteligência.