Biden pede união dos EUA após Colégio Eleitoral consagrar sua vitória

134
O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden / Foto: Campanha Joe Biden

São Paulo — O presidente eleito dos Estados Unidos, Joe Biden, criticou o presidente norte-americano, Donald Trump, por contestas a legitimidade de sua vitória nas eleições realizadas em novembro logo depois de vencer a votação do Colégio Eleitoral, consagrando seu título de próximo chefe de Estado do país.

“Nessa batalha pela alma da América, a democracia prevaleceu”, disse Biden em um discurso feito em sua cidade natal, Wilmington, Delaware. “Agora é hora de virar a página, como temos feito ao longo de nossa história – para unir, para curar”.

A votação realizada ontem assumiu forte importância à luz do esforço de Trump para subverter o processo eleitoral. O presidente alega, sem provas, que houve uma fraude eleitoral generalizada na eleição de 3 de novembro.

Em um discurso de cerca de 13 minutos, Biden, o ex-vice-presidente democrata, pediu unidade, enquanto expressou confiança de que as instituições democráticas do país se manterão assim como fizeram em face das tentativas de Trump de reverter o resultado da eleição.

“A chama da democracia foi acesa neste país há muito tempo”, disse Biden. “Agora sabemos que nem mesmo uma pandemia ou abuso de poder pode apagar essa chama.”
Biden enfatizou que Trump e seus aliados entraram com “dezenas e dezenas” de contestações legais aos votos totais sem sucesso, incluindo um processo no Texas que pedia ao Supremo Tribunal dos Estados Unidos para invalidar os resultados de quatro estados. O tribunal, incluindo três nomeados por Trump, rejeitou a oferta sem divergências na semana passada.

Ele também observou que sua margem de 306-232 no Colégio Eleitoral foi a mesma que a vitória de Trump em 2016, que o republicano descreveu como uma “avalanche”.

Era amplamente esperado que a votação do colégio eleitoral não alterasse o resultado da eleição. Com os desafios jurídicos de Trump fracassando, a última esperança de Trump reside em persuadir o Congresso a não certificar o voto do Colégio Eleitoral em uma sessão especial de 6 de janeiro – um esforço que, para muitos, fracassará.

Trump também pressionou legisladores republicanos em estados do campo de batalha vencidos por Biden, como Pensilvânia e Michigan, a anular o total de votos e indicar seus próprios candidatos eleitorais. Mas os legisladores rejeitaram em grande parte a ideia.