Biden diz que ajudará Brasil na pandemia, mas lembra que prioridade é a Índia

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden / Foto: Campanha Joe Biden

São Paulo – O presidente norte-americano, Joe Biden, afirmou que ajudará o Brasil e a Índia a enfrentar a pandemia de covid-19, mas deixou claro que sua prioridade no momento é trabalhar junto com Nova Délhi na redução de casos da doença.

“Estamos dispostos a trabalhar com outros países para controlar a pandemia e Brasil e Índia são dois desses países. Neste momento, no entanto, entendemos que a Índia precisa mais da nossa ajuda, por isso, estamos enviando equipamentos médicos e outros suprimentos para ajudá-los”, disse ele.

Mais cedo, a Casa Branca havia indicado que está trabalhando em parceria com o governo brasileiro por meio do envio de medicamentos, especialmente aqueles usados na intubação, no valor de US$ 20 milhões.

Questionado sobre o envio de vacinas ao Brasil, Biden disse os Estados Unidos enviarão as doses da AstraZeneca – cujo uso não foi liberado pela Food and Drug Administration (FDA, equivalente a Anvisa no Brasil) – para países como Canadá e México.

“Enviamos as doses de vacina da AstraZeneca para o México e o Canadá como havíamos acordado anteriormente, o que representa 10% das nossas doses. Estamos em contato com outros países para discutirmos o envio de vacinas”, afirmou Biden, sem detalhar se o Brasil estaria entre esses países.

A Casa Branca informou mais cedo que atualmente os Estados Unidos não tem estoque de vacinas da AstraZeneca, mas espera ter cerca de 10 milhões de doses nas próximas semanas e um adicional de 15 milhões nos próximos meses, sinalizando que há um processos interno sobre para onde estas doses irão.

Depois dos Estados Unidos, Índia e Brasil são os países com mais casos de covid-19 no mundo. Dados da universidade Johns Hopkins mostram que a Índia tem 20,2 milhões de infectados e 22,4 mil mortes pela doença, enquanto o Brasil tem 14,7 milhões de casos e 408,6 mil óbitos.