Banco do Japão deve se alinhar com governo para apoiar economia

280

Por Júlio Viana

São Paulo – O comitê do Banco do Japão (BoJ) acredita que as decisões de política monetária devem estar alinhadas com estratégias do governo para conter os possíveis danos que a atual desaceleração econômica devem trazer ao país, de acordo com a ata da última reunião do grupo realizada nos dias 30 e 31 de outubro.

Os membros também relataram preocupação com os problemas que uma política afrouxada pode trazer para alguns setores econômicos se prolongada por muito tempo. Para alguns deles, a baixa taxa de juros pode prejudicar as seguradoras de vida, que devem ter dificuldade de arcar com as quantias devidas aos segurados.

Devido aos riscos apresentados, o conselho acredita que será necessário utilizar outras ferramentas do BoJ associadas a medidas de segurança fiscal do governo.

“O BoJ deve se preparar para a próxima crise econômica como entre um dos cenários de risco. Ao fazer isso, é importante não apenas tomar medidas de política monetária, mas aumentar a cooperação com o governo”, afirmam os membros em uma das passagens da ata divuldada na terça-feira.

Na última reunião do grupo, o comitê deicidu por manter a taxa básica de juros inalterada em 0,1% negativo, mas deu sinais fortes de que deve continuar a cortar o índice no futuro.
No entanto, as atas mostraram uma divisão entre os membros do conselho entre aqueles dispostos a afrouxar mais a política como forma de estimular a inflação a alcançar sua meta de 2% e aqueles preocupados com seus resultados negativos.

“Caso a política continue afrouxada, as seguradoras podem não conseguir pagar seus valores e cumprir com seu serviço social”, um dos membros afirmou na reunião.