Banco central mantém política monetária e reitera que pode cortar juros

193

São Paulo – O Banco do Japão (BoJ) manteve sua política monetária inalterada, mas indicou que pode cortar a taxa de juros de referência do país se necessário para levar a inflação à meta de 2% ao ano. O banco disse ainda que as economias estrangeiras ainda apresentam risco.

O BoJ manteve a taxa de depósitos em -0,1% e a meta para juros de 10 anos em zero. O banco continuará comprando anualmente 80 trilhões de ienes em títulos do Japão e 90 bilhões de ienes em fundos imobiliários com cotas negociáveis em bolsa. As compras anuais de ETFs (fundo de índice, ou exchange-traded fund, em inglês) serão de 6,0 trilhões de ienes.

No comunicado, o BoJ reiterou que espera manter as taxas de juros de curto e longo prazo “nos níveis atuais ou mais baixos enquanto for necessário para prestar muita atenção à possibilidade de que o impulso para atingir a meta de estabilidade de preços seja perdido”.

O banco central japonês reafirmou que não “hesitará em tomar medidas adicionais de afrouxamento” se necessário para alcançar a meta de inflação de 2% ao ano.

O BoJ disse que os principais riscos para a economia do Japão, no momento, encontram-se “nos desenvolvimentos em economias estrangeiras”.