BCE deve garantir recuperação econômica antes de retirar estímulos

Sede do Banco Central Europeu (BCE), em Frankfurt. Foto: Divulgação/ BCE

São Paulo – O presidente do banco central da Finlândia, Olli Rehn, disse que o Banco Central Europeu (BCE) deve garantir uma recuperação econômica estável após a pandemia do covid-19 antes de sair das medidas de combate à crise.

“Estamos prontos para recalibrar o que for necessário, mas eu prefiro ser cauteloso, pois acho que é melhor prevenir do que remediar. Precisamos estar em um caminho estável da recuperação econômica antes de passarmos para a engrenagem de saída em termos de acomodação monetária “, disse Rehn em entrevista à CNBC.

“Temos riscos positivos e negativos, dependendo da velocidade das vacinações e da extensão das mutações do vírus. Nesse contexto, a melhor abordagem de política monetária é simplesmente manter a calma e manter o rumo”, acrescentou.

Seus comentários foram feitos logo depois que o chefe do banco central holandês, Klaas Knot, disse à Reuters que uma recuperação esperada para a economia da zona do euro no segundo semestre do ano poderia permitir ao BCE começar a interromper suas compras de títulos de emergência no terceiro trimestre.

“No curto prazo, ainda há muita incerteza sobre a velocidade da vacinação e sobre a possível extensão das mutações do vírus. Mas, sim, no segundo semestre deste ano e no próximo ano, vemos o fortalecimento da recuperação e, certamente, as perspectivas nesse sentido são mais positivas”, disse Rehn da Finlândia.

“Em termos de resposta política, é melhor prevenir do que remediar e manter um grau significativo de acomodação na política monetária para construir uma ponte robusta sobre essas águas turbulentas da pandemia do coronavírus.”

O BCE decidiu no mês passado aumentar a compra de títulos dentro de seu programa de compra de emergência pandêmica (PEPP, na sigla em inglês) de 1,85 trilhão de euros. A mudança ocorreu em meio a temores de que o aumento dos rendimentos dos títulos do governo poderia ameaçar a recuperação econômica do bloco.