Banco central da Argentina corta taxa de juros de 52% para 50%

298

Por Julieta Marino

Buenos Aires – O Banco Central da República Argentina (BCRA) cortou o piso da taxa de juros de referência do país, sobre as Letras de Liquidez (Leliq), em 2,0 ponto percentual (pp), para 50%. Esta é a quarta redução em dois meses, visando a estimular a economia do país.

Segundo o banco, a decisão foi tomada considerando que, no quadro da atual situação de normalização macroeconômica e financeira, a iminente extensão dos prazos das Leliq, que atualmente são de sete dias, os avanços do plano econômico nacional e o acordo de preços controlados correspondem a “continuar com a redução gradual da taxa de juros de referência “.

O Conselho do BCRA explicou que as taxas de juros nominais e reais, após o estresse financeiro que as levou a seus níveis mais altos desde a crise de 2002, ainda estão em níveis elevados. Com isso, o banco disse esperar que a queda gradual nos juros contribua para relaxar as condições de crédito e estimular a atividade econômica.

“As altas taxas de juros reais foram ineficazes em gerar um desinflação sustentável no passado recente. A taxa de inflação em 2019 alcançou 53,8%, a maior desde 1991. O atual processo inflacionário tem um forte componente inercial”, concluiu.

Este é o quarto corte seguido realizado pelo BCRA. O primeiro foi no dia 19 de dezembro, de 63% para 58%; o segundo, em 26 de dezembro, para 55% e o terceiro em 10 de janeiro, para 52%.

Tradução: Cristiana Euclydes