Avaliação positiva de governadores cresce em maio, diz CNT/MDA

195
O governador do Estado de São Paulo, João Doria. (Foto: Governo do Estado de São Paulo)

São Paulo – A avaliação positiva a respeito dos governadores e prefeitos aumentou em maio na comparação com janeiro, com a maior parte da população aprovando as medidas de administrações estaduais para combater o novo coronavírus, de acordo com pesquisa conduzida pela Confederação Nacional do Transporte (CNT) em parceria com o Instituto MDA.

Segundo o levantamento, os que consideram a atuação dos governadores ótima e boa aumentaram para 41,3% neste mês, de 30,5% em janeiro – mês em que ocorreu a pesquisa anterior. Os que avaliam os governadores como ruins ou péssimos caíram de 27,0% para 24,7%, enquanto os que consideram o trabalho desses políticos regular caíram de 35,7% para 32,7%. Os que não quiseram ou não souberam responder diminuíram de 6,8% para 1,3%.

No caso dos prefeitos, os entrevistados que consideram a atuação ótima ou boa cresceram para 40,1%, de 34,4% em janeiro, enquanto os que avaliam o trabalho deles como ruim ou péssimo caíram de 33,4% para 27,7%. Os entrevistados que classificaram a atuação dos prefeitos como regulares aumentaram de 28,3% para 29,7%, enquanto os que não souberam ou não quiseram responder passaram de 3,9% para 2,5%.

Nos últimos dois meses os governadores e prefeitos entraram em confronto direto com o presidente Jair Bolsonaro por terem adotado medidas de restrição à circulação de pessoas e ao funcionamento do comércio na tentativa de evitar a propagação acelerada da covid-19.

O assunto inclusive chegou a ser alvo de discussão no Supremo Tribunal Federal (STF), que concedeu aos estados e municípios autoridade para definir políticas locais de contenção da doença. Bolsonaro, porém, segue criticando as administrações regionais, afirmando que as restrições deveriam ser mais frouxas para evitar que a economia seja ainda mais afetada pela pandemia.

A pesquisa da CNT/MDA, no entanto, mostra que, embora 51,7% dos entrevistados apoie a atuação do governo federal nas ações contra a doença, 69,2% endossam as atitudes dos governos estaduais para evitar o alastramento da covid-19, e 67,3% consideram que as medidas de isolamento social precisam ser praticadas por todos.

Um grupo menor, de 29,3% dos entrevistados, acha que o isolamento social só deve ser praticado por pessoas que têm mais chance de morrer por causa da doença – idosos e aqueles com doenças crônicas -, e uma pequena parcela (2,6%) acha que não deveria existir nenhuma medida de isolamento social.

A pesquisa ouviu 2.002 pessoas por telefone, de 494 municípios e 25 estados, entre os dias 7 e 10 de maio. A margem de erro é de 2,2 pontos percentuais (pp).