Aumento de margem e queda nas despesas impactam lucro do 4T19

305
Foto divulgação: Banco do Brasil

São Paulo – O lucro líquido ajustado do Banco do Brasil apresentou uma alta de 20,3% no quarto trimestre de 2019, na comparação com igual período do ano anterior, para R$ 4,6 bilhões, em linha com as projeções coletadas pela CMA, que previa R$ 4,655 bilhões. O resultado foi influenciado pelo aumento da margem financeira bruta associado à redução com as despesas líquidas de provisão de crédito.

O lucro líquido, por sua vez, somou R$ 5,6 bilhões, 49,7% maior na mesma base de comparação. Em 2019, o lucro líquido ajustado foi de R$ 17,484 bilhões, alta de 32,1% na comparação anual, enquanto o lucro líquido subiu 41,2% no período, para R$ 18,162 bilhões.

A margem financeira bruta alcançou R$ 14,024 bilhões no quarto trimestre de 2019, alta de 11,6% na comparação anual. No ano passado, a margem subiu 6,4% e totalizou R$ 53,086 bilhões.

A carteira de crédito ampliada totalizou R$ 680,7 bilhões no trimestre, 2,6% inferior ao visto no mesmo período do ano anterior, sendo que a carteira de crédito jurídica caiu 10,9% e soma R$ 247,1 bilhões. Já a carteira de pessoa física totalizou R$ 215 bilhões, alta de 8,9%, enquanto a do agronegócio registrou queda de 2,7% para R$ 183,5 bilhões e a carteira externa somou R$ 35,1 bilhões, queda de 16,02%.

A despesa de PCLD, no caso risco de crédito, somou R$ 4,804 bilhões no período, 0,3% maior ante igual trimestre de 2018, enquanto a recuperação de crédito caiu 11,4% e totalizou R$ 1,805 bilhão.

O índice de inadimplência de mais 90 dias, relação entre as operações vencidas há mais de 90 dias e o saldo da carteira de crédito classificada, alcançou 3,27% ao fim do trimestre. Desconsiderando esse efeito, o índice seria de 2,54%.

No trimestre, o retorno sobre o patrimônio líquido de mercado fechou em 17,6%, uma alta de 4,4 pontos percentuais na comparação anual.