Argentinos terão quarentena mais rigorosa após picos de casos de covid-19

165
Bandeira argentina na Casa Rosada / Foto: Nações Unidas

Buenos Aires – Uma quarentena mais rigorosa, com maior controle da mobilidade e restrições a mais atividades de 1 de julho a pelo menos metade desse mês, na Área Metropolitana de Buenos Aires (AMBA), a área mais afetada pela pandemia da novo coronavírus, será anunciado hoje ao meio-dia pelo presidente Alberto Fernández.

O anúncio da extensão do isolamento obrigatório em vigor no país desde 20 de março era esperado para a noite passada, mas Fernández, governador de Buenos Aires Axel Kicillof e chefe do governo de Buenos Aires, Horacio Rodriguez Larreta, concordaram em avançar em mais detalhes e adiá-lo para hoje.

O presidente também se reuniu ontem com o chefe do gabinete, Santiago Cafiero, e mais tarde com os infectologistas que compõem o Comitê de Especialistas em Epidemiologia, que aconselham o governo no âmbito da pandemia.

Segundo relatos após as reuniões, passeios recreativos seriam suspensos e apenas lojas essenciais nos bairros, ou seja, supermercados e farmácias, poderão abrir. No entanto, por recomendação dos especialistas, os passeios com meninos serão mantidos nos finais de semana.

Também haverá mais controles sobre o trânsito entre jurisdições e somente o uso de transporte público será permitido para atividades essenciais.

Segundo o último relatório do portfólio de Saúde, ontem foi atingido um novo pico de casos confirmados em 2.606, com um total de 52.457 positivos no país, enquanto o número de óbitos foi de 26 em comparação com o último relatório emitido, com o qual eles somam 1.150 total.

A grande preocupação das autoridades é a ocupação de leitos de terapia intensiva na AMBA, onde até os dados mais recentes eram cerca de 50% da ocupação.

Tradução: Julio Viana