Doria anuncia medidas mais restritivas em SP contra covid-19

São Paulo – O estado de São Paulo vai adotar medidas mais restritivas para diminuir a circulação de pessoas e tentar conter a disseminação da covid-19, afirmou o governador paulista, João Doria, em um vídeo postado no Twitter. Mais detalhes estão sendo divulgados na entrevista coletiva iniciada às 12h45.

“Mesmo com os esforços que estamos fazendo aqui em São Paulo, seguindo as recomendações dos maiores especialistas de saúde, nossos hospitais estão chegando no limite máximo de ocupação. Essa nova cepa do vírus é muito agressiva, e muito perigosa. Teremos que adotar medidas mais restritivas de distanciamento social para diminuir a circulação do vírus”, afirmou.

Há dias circulam na imprensa rumores de que o governo paulista adotará mais medidas de restrição por causa do aumento na ocupação de leitos de UTI na região.

No momento, mais de um terço dos estados brasileiros enfrenta taxas de ocupação de leitos de UTI superiores a 90%, e quase a metade deles apresenta ocupação igual ou maior a 85% – nível considerado crítico e indicativo de colapso iminente no sistema de atendimento. Em São Paulo, a taxa está perto de 81%.

No vídeo, Doria diz que as duas únicas soluções para parar o covid-19 são vacinas e o distanciamento social, e ressalta que não há vacinas suficientes no curto prazo para resolver o problema. “O governo federal precisa viabilizar mais vacinas. Estamos fazendo aqui o máximo que podemos.

“O Brasil está colapsando e se nós não frearmos o vírus, não será diferente aqui em São Paulo. Para aqueles que dizem que é só abrir novos leitos de UTI, esclareço: não é. No estado de São Paulo tínhamos 3.500 leitos de UTI. Agora temos 9.200, mas não há profissionais suficientes para atender tantos leitos e principalmente para abrirmos novos”, afirmou Doria.

MEDIDAS

Durante uma entrevista coletiva, o coordenador do centro de contingência da covid-19 em São Paulo, Paulo Menezes, detalhou as medidas que serão tomadas pelo governo e que terão duração de 15 dias. O objetivo das medidas, segundo ele, é retirar 4 milhões de pessoas das ruas e aumentar o índice de isolamento social da cidade para mais de 50%.

As novas restrições proíbem que sejam retirados produtos em estabelecimentos por parte dos clientes – embora estejam liberados serviços de entrega em residência para os clientes. Restaurantes podem atender clientes apenas no sistema de entregas ou em drive-thru – neste caso, apenas das 5h às 20h.

Além disso, as lojas de materiais de construção devem permanecer fechadas, e estão vetadas as celebrações religiosas coletivas – neste caso, os templos podem receber individualmente os fiéis, mas não podem promover cultos ou missas, por exemplo. Atividades esportivas coletivas também estão proibidas.

O governo paulista também declarou obrigatório o trabalho remoto para atividades administrativas e não essenciais, tanto no setor público quanto no setor privado.

Além disso, será adotado toque de recolher das 20h às 5h, ficará proibido o uso de praias e parques e a aglomeração de pessoas de qualquer tipo.