ANP publica metas metas de descarbonização das distribuidoras para 2021

Foto: Shutterstock

São Paulo – A Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) divulgou as metas individuais compulsórias para 2021 das distribuidoras de combustíveis, calculadas a partir da meta compulsória anual para o ano de 2021 de 24,86 milhões de Créditos de Descarbonização (CBIOs). As maiores metas individuais entre as participantes são as da BR Distribuidora, Ipiranga e Raízen, de 6.550.603, 4.715.225 e 4.383.859, respectivamente.

As metas determinam de quanto deve ser a redução, este ano, de emissões de gases causadores do efeito estufa por cada distribuidora que comercializou combustíveis fósseis no ano de 2020 e são calculadas com base nas metas globais publicadas pelo Conselho Nacional de Política Energética, no âmbito da Política Nacional de Biocombustíveis (RenovaBio).

Os CBIOs são ativos ambientais emitidos por produtores de biocombustíveis em quantidade proporcional à sua produção e o quanto ela contribuiu, por meio da substituição de combustíveis fósseis, para evitar emissões de gases causadores do efeito estufa – cada CBIO equivale a uma tonelada de emissões evitadas e são comercializados na bolsa B3, podendo ser adquiridos pelas distribuidoras, para cumprimento de suas metas individuais ou por terceiros interessados nessa comercialização.

As metas são cumpridas pelas distribuidoras por meio da aposentadoria (retirada de circulação) de créditos de descarbonização (CBIOs), em quantidade correspondente à sua meta. Uma vez adquirido esses créditos, as distribuidoras podem aposentá-los, ou seja, retirá-los definitivamente do mercado, impedindo qualquer negociação futura. Apenas os CBIOs aposentados contam para o cumprimento das metas individuais anuais.