Analistas mantêm visão positiva sobre a Cyrela após dados de lançamentos

São Paulo – Os analistas de mercado mantiveram a visão positiva sobre a Cyrela após a empresa divulgar números de lançamentos
e vendas de empreendimentos referentes ao terceiro trimestre deste ano.

A Cyrela lançou 12 empreendimentos no terceiro trimestre de 2021, três a menos na comparação com o mesmo período do ano anterior, mas 33,2% acima em valor geral de vendas, que totalizou R$ 2,2 bilhões. No ano, a empresa lançou 37 projetos que somam R$ 4,5 bilhões, cinco a mais que o mesmo intervalo de 2020, com VGV 53,2% superior. No trimestre, a participação da construtora nos lançamentos atingiu 90%, inferior aos 93% apresentados no terceiro trimestre do ano anterior.

Para o BTG Pactual, a empresa reportou fortes resultados operacionais, com números acima do registrado no ano passado, o que deve servir de alívio para investidores aflitos com uma possível queda nas vendas de imóveis.

“Acreditamos que seja um wake-up call para investidores excessivamente preocupados com uma desaceleração nas vendas de imóveis. Com um valuation atrativo (7x P/E 2021E and 6x P/E 2022E), reafirmamos nossa recomendação de compra”, disse o BTG Pactual.

A XP Investimentos destacou a demanda sólida no segmento de média e alta renda para os produtos da Cyrela, que registraram 53% e 47% do total de vendas, respectivamente, apesar das preocupações com as perspectivas de taxa de juros para o financiamento imobiliário.

“Reiteramos nossa visão positiva sobre CYRE3 negociado em 1,1x P/BV em 2022, o que vemos como atraente”, disse a XP em relatório.

Já o Bradesco BBI afirmou que os números da construtora ficaram um pouco abaixo das estimativas e levaram a uma formação de estoque acima do esperado – com a forte concentração de lançamentos no final do trimestre pesando nas métricas de velocidade de vendas da empresa.

“Os níveis de estoque não são uma preocupação, já que ainda podem ser digeridos em 4,5 trimestres neste ritmo de vendas. Não obstante, todos os olhares devem estar voltados para a dinâmica evolutiva entre vendas, lançamentos e patamares de preços: como a maioria das incorporadoras, a Cyrela aumentou seus preços, mas viu as vendas apresentarem resistência cada vez maior, o que coloca em teste seu apetite por lançamentos”, disseram os analistas do BBI.

Por último, o BBI disse que os números operacionais da Cyrela apontam para uma acomodação do setor no curto a médio prazo, que devem normalizar em níveis ainda mais saudáveis, uma vez que os fundamentos do setor estão muito melhores do que a média histórica.

“Dessa forma, não mudamos nossas expectativas para os resultados financeiros da Cyrela no 3T21, com receita de R$ 1,2 bilhão e margem bruta de 36,5, ambas em linha com o trimestre anterior”, finalizou o BBI.