Alta do IGP-10 desacelera a 0,07% em maio

202

São Paulo – A alta do Índice Geral de Preços – 10 (IGP-10) desacelerou a 0,07% em maio, de 1,13% em abril, mas pode ganhar força no mês que vem refletindo o aumento nos preços da gasolina em refinarias, segundo a Fundação Getulio Vargas (FGV).

“As próximas edições do IGP repercutirão os aumentos do preço da gasolina que já totalizam alta de 22% nas refinarias em maio, contribuindo para a aceleração da inflação ao produtor e ao consumidor”, disse André Braz, Coordenador dos Indices de Preços da FGV, em nota.

Com o resultado de maio, o IGP-10 acumula alta de 2,96% em 2020 e de 6,07% em 12 meses. No mesmo mês do ano passado, o índice havia subido 0,70% em base mensal e 8,02% em 12 meses.

O Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA), um dos três componentes do IGP-10, subiu 0,25% em maior, após avanço de 1,52% em abril, com aprofundamento da deflação nas categorias de bens finais (-0,09% para -0,20%) e intermediários (-0,08% para -1,14%). Os preços das matérias-primas diminuíram o ritmo de alta (4,94% para 2,11%), com destaque para a queda de 6,14% nos preços do milho.

O índice de preços ao consumidor, outro componente do IGP-10, caiu 0,51% em maio, após subir 0,33% em abril, com destaque para o subcomponente de transportes, cuja deflação passou de 0,68% para 2,66%. “Nesta classe de despesa, vale citar o comportamento do item gasolina,cuja taxa passou de -2,74% para -8,49%”, disse a FGV.

O Índice Nacional de Custo da Construção (INCC), terceiro e último componente do IGP-10, subiu 0,19% em maio, após aumentar 0,29% em abril, com seus três grupos componentes apresentando comportamento negativo – materiais e equipamentos (0,56% para 0,52%), serviços (0,10% para -0,01%) e mão de obra (0,14% para 0,00%).

Para o cálculo do IGP-10 foram comparados os preços coletados no período de 11 de abril de 2020 a 10 de maio de 2020 (período de referência) com os preços coletados no período de 11 de março de 2020 a 10 de abril de 2020 (período base).