AES Tietê classifica proposta como hostil; Eneva vê oportunidade

326
Usina de Energia Eólica (UEE) em Icaraí, no Ceará (CE)

São Paulo – A AES Tietê informou que em relação à oferta hostil (não solicitada) enviada pela Eneva, o conselho de administração da companhia solicitou à diretoria a contração de assessores financeiros para auxiliá-lo na análise de referida proposta.

Além disso, o colegiado convocou uma reunião extraordinária para o dia 13 de março para definir a contratação de uma equipe de assessores financeiros, com o objetivo de ter uma condução das ações necessárias.

Em outro comunicado, a Eneva ressaltou que em razão da não manifestação da AES Tietê até o momento, enviou uma nova carta referente à proposta reiterando a disposição de sua administração e de seus assessores financeiros para uma apresentação e discussão da proposta de combinação de negócios entre as empresas.

A Eneva afirma ainda que a combinação dos negócios é uma oportunidade única de geração de valor para as companhias, e que entende que essa visão foi corroborada com grande ênfase pelos atuais acionistas das empresas, cujas ações subiram 8,4% e 23,6%, respectivamente, no dia do anúncio da combinação, e acumulam valorização de 3,6% e 16,0%, respectivamente, desde então.

A operação compreende uma relação de troca de 0,0461 ações ordinárias para cada ação ordinária ou preferencial de emissão da AES Tietê ou de 0,2305 por unit, mais uma parcela em dinheiro de R$ 2,750 bilhões, o equivalente a R$ 1,38 por cada ação ordinária ou preferencial ou R$ 6,89 por unit. O potencial do negócio é de R$ 6,6 bilhões.