Varejistas de roupas disparam com “efeito Hering”, Renner e reabertura

Foto: Pexels

São Paulo, 16 de abril de 2021 – As ações de redes varejistas de moda têm fortes altas hoje em meio a possíveis fusões e aquisições no setor e após o governo de São Paulo anunciar a reabertura parcial do comércio no estado. Há pouco, uma reportagem do site “Brazil Journal”, afirmou que as Lojas Renner está preparando uma oferta de ações que pode levantar até R$ 4,5 bilhões, o que deixaria a empresa capitalizada para possíveis aquisições.

Já ontem, a Hering recusou uma proposta de combinação de negócios com a Arezzo, que pode elevar a oferta, e foi outro fator que chamou a atenção do mercado para o segmento.

As ações das Lojas (LREN3), que já estavam entre as maiores altas altas do Ibovespa, aceleraram ainda mais os ganhos com a notícia de uma possível oferta, passando a ter alta de 7,58%, a R$ 45,10, às 13h26 (horário de Brasília). Ao lado da Renner, entre as maiores altas, estão os papéis da Hering (HGTX3 +8,85%).

Os papéis da C&A (CEAB3 + 15,34%) e das Lojas Marisa (AMAR3 + 22,52%), que não estão no Ibovespa, também têm fortes valorizações.

Segundo a reportagem do “Brazil Journal”, a oferta financiaria o plano de crescimento orgânico da Renner, mas a prepararia para, eventualmente, fusões e aquisições. As especulações são que Marisa e C&A são possíveis alvos.

Para o analista da Guide Investimentos, Henrique Esteter, “o efeito Hering” também está gerando uma “reavaliação do ‘valuation’ do setor”, além dos papéis refletirem a reabertura de lojas físicas em São Paulo a partir de domingo (18).

Na oferta à Hering, a Arezzo ofereceu uma parcela em dinheiro de R$ 1,29 bilhão mais 26.751.575 novas ações ordinárias de sua emissão, o que equivale a 21,17% do seu capital social, a uma relação de substituição de 0,1686 ações da Arezzo para cada 1 ação ordinária da Hering.

Em entrevista ao jornal “Valor Econômico”, o presidente da empresa, Fabio Hering, disse que considerou a proposta mal estruturada e que a empresa já tem um plano estratégico montado, além de ser vista pelo mercado como como “bbb’ (boa, bonita e barata)”. No entanto, disse que estão abertos a alternativas, que incluem fusões e aquisições. No próximo mês, Thiago Hering, filho de Fabio, deve assumir a liderança da empresa.

Para os analistas do Credit Suisse, a proposta pegou o mercado de surpresa e a Hering passou a ser um alvo de fusões e aquisições, além de estar negociando em um múltiplo baixo, com ações baratas.

Os analistas do banco ainda destacam que há a possibilidade de um aumento de preço na oferta da Arezzo, sendo que uma oferta hostil não deve ser o caminho dado o bom relacionamento das famílias donas das empresas.