Ações de tecnologia desabam com mau humor externo e notícias locais; Banco Inter cai 11% e Pan 9%

Analistas apontam que as empresas d sentem o impacto da elevação dos juros das Treasuries, o que faz Nasdaq despencar; mercado ainda avalia situação do Inter e aquisição feita pelo Banco Pan

Foto: Sergio Carracedo/freeimages.com

São Paulo – As ações dos bancos Pan e Inter despencam e lideram as perdas do Ibovespa de hoje em meio à queda de ações de tecnologia nos Estados Unidos e ao intenso noticiário local no setor. Às 13h55 (horário de Brasília), as ações preferenciais do Pan (BPAN4) recuavam 9,47%, após abrir o pregão em alta de 5%, enquanto as units do Inter (BIDI11) caíam 11,70% e as preferenciais (BIDI4) caiam 11,43%. Já as units do BTG Pactual (BPAC11), controlado o Pan, recuava 7,64%, seguidas pelos papéis da Meliuz (CASH3, -7,15%) e Totvs (TOTS3, -6,98%).

Na ponta positiva, a ação da Mosaico (MOSI3), que não está no Ibovespa, tinha alta de 9,98%, após o anúncio de compra da empresa pelo Banco Pan.

Analistas apontam que as empresas de tecnologia sentem o impacto da elevação dos juros, com as Treasuries (títulos públicos norte-americanos) em alta. “A alta da taxa de Treasuries de 10 anos nos Estados Unidos subindo bate no Nasdaq e nas nossas fintechs. Lembrando que o Pan anunciou a compra da Mosaico hoje, chegou a subir 5% e agora cai quase 8%”, comentou Pedro Galdi, da Mirae Asset Corretora.

No mesmo sentido, Rodrigo Crespi, analista da Guide Investimento, disse que a elevação da taxa de juros pressiona o custo de capital e acaba impactando as fintechs, que tem crescimento forte e beta mais elevado.

Os juros de Treasuries de 10 anos continuam a subir e são negociados a 1,47%, pesando em especial no setor de tecnologia, na medida em que tornam os fluxos de caixa futuros das empresas menos valiosos.

Outros fatores que podem estar influenciando negativamente, no caso do Banco Inter, é a divulgação dos dados operacionais do banco e a manutenção da provisão, que se manteve constante, o que leva a crer que o banco deve anunciar aumento de inadimplência nos próximos trimestres. “O índice de cobertura da carteira de crédito dos bancos incumbentes está na faixa de 300%, enquanto no Inter está em 90%, então o banco pode estar postergando essa provisão”, avalia, Crespi.

“Durante 2020, enquanto todos os bancos elevaram as provisões de crédito, o Inter não fez isso, então ele pode ter divulgado um resultado nos últimos trimestres superior ao que efetivamente é e agora começar a sofrer o impacto de calotes”, acrescentou Vitor Carettoni, diretor da mesa de operações de renda variável da Lifetime Investimentos.

“Hoje, além do mau humor do mercado com o setor, o Banco Inter traz a ideia de que a empresa tem um valuation de tecnologia e não de banco, então eu acho que o mercado acaba ajustando os excessos. Tivemos as prévias e há preocupações com as provisões, há um cenário difícil e há um ajuste de um preço caro para múltiplos de banco”, comentou Enrico Cozzolino, analista da Levante Ideias de Investimentos.

AQUISIÇÃO DA MOSAICO PELO BANCO PAN

No caso do Pan, os investidores avaliam que a aquisição da Mosaico talvez tenha sido melhor para a empresa de tecnologia do que para o Pan. “A aquisição pode não estar sendo bem avaliada pelos investidores, após a empresa ter apresentado resultados ruins no último trimestre e apresentar custo de aquisição de clientes elevado. O preço-alvo da ação caiu de R$50 a R$21 segundo os bancos de investimento, com 66,7% do consenso recomendando manter ou vender as ações da Mosaico, 33,3% recomendando a compra”, disse o analista da Guide.

O mercado também tenta entender como avaliar se a operação é positiva para o Pan, se desconta valor, além de ocorrer também um ajuste devido ao mau humor com o setor, que acaba refletindo nas ações do banco.

“A queda reflete um movimento de realização de lucros. O banco fez a aquisição da Mosaico, aumentando a participação em marketplace, isso é positivo, mas hoje o mercado está muito avesso”, disse Matheus Jaconeli, economista da Nova Futura Investimentos. “O Mosaico está com alta expressiva (chegou a subir mais de 13% no pregão de hoje), mas foi lançada a R$ 19,80 e, mesmo com a alta, ela cai 27% desde o oferta pública inicial de ações (IPO, na sigla em inglês)”, finalizou.

Edição: Danielle Fonseca (daniele.fonseca@cma.com.br)