Ações da Eletrobras caem mais de 4% após saída de Mattar

189
Foto divulgação: Eletrobras

São Paulo – As ações da Eletrobras mostram a maior queda do Ibovespa reagindo ao pedido de demissão do secretário especial de Desestatização e Privatização, Salim Mattar, o que afastou expectativas de uma privatização da companhia, que já vinha encontrando dificuldades de ir adiante. 

Às 12h40 (horário de Brasília), os papéis ordinários (ELET3) caíam 4,17%, para R$ 35,12, enquanto os preferenciais (ELET6) recuavam 4,16%, a R$ 36,84.

O pedido de demissão de Mattar, que saiu acompanhado do secretário de Desburocratização, Gestão e Governo Digital, Paulo Uebel, pegou o mercado de surpresa e ocorrem após a saída de uma série de outros membros da equipe do ministro da Economia, Paulo Guedes, que admitiu a “debandada”. Elas também ocorreram em meio a preocupações com o cenário fiscal, dificuldades para dar andamento a privatizações e a reformas. 

“A notícia pega principalmente na Eletrobras e pode trazer um sentimento um pouco negativo porque deixa mais longe as privatizações. Mattar estava tentando tirar grande privatizações do papel e isso pode jogar um banho de água fria em que esperava algo mais relevante no curto prazo”, disse o sócio da Criteria Investimentos, Vitor Miziara.

O economista-chefe da Codepe Corretora, José Costa, lembra que o processo de privatizar a companhia já se mostrava desafiador. “Quando se fala em mexer em uma companhia do tamanho da Eletrobras há muitos interesses em jogo”, disse.