Ações da Ambev ampliam queda e caem mais de 7%; BTG cita concorrência

345

Por Danielle Fonseca

São Paulo – As ações da Ambev seguem ampliando queda desde a abertura e recuam mais de 7%, na maior desvalorização do Ibovespa hoje, depois que os resultados trimestrais vieram abaixo do esperado pelo mercado, com a companhia admitindo dificuldades e maior concorrência.

Às 11h55 (horário de Brasília), as ações (ABEV3) caíam 7,60%, a R$ 17,72, no menor patamar desde o dia 1 de julho, quando a mínima foi de R$ 17,69. As ações ainda são a segunda mais negociada da B3, movimentando R$ 684,7 bilhões, apenas atrás das preferenciais da Petrobras (R$ 1,040 bilhão).

“A Ambev reportou um conjunto fraco de resultados no terceiro trimestre, o
ebitda foi de R$ 4,4 bilhões, 6% abaixo da nossa estimativa e mostrando 5% de queda na comparação anual”, disseram os analista do BTG Pactual, em
relatório. Para o banco, também foi incomum a companhia ter citado um ambiente competitivo promocional, mostrando que os concorrentes, como a Heineken, foram um empecilho.

Os analistas destacam ainda que a Ambev admitiu que os ventos contrários
enfrentados no trimestre, devem refletir no quarto trimestre e inibir a
capacidade da companhia e acelerar crescimento do ebitda este ano. “Mais do que antecipando outro trimestre difícil à frente, a companhia está
questionando sua capacidade de acelerar o ebtida”, disseram.