Ação do Itaú tem leve alta após balanço e revisão de guidance

706
Foto: Burak K / Pexels

São Paulo – As ações do Itaú Unibanco oscilaram em torno da estabilidade pela manhã e mostram leve alta no momento, após o balanço do segundo trimestre e da revisão das projeções para o ano. Especialistas avaliaram positivamente os resultados, que vieram em linha com as expectativas e mostraram visão otimista para a segunda metade do ano. Às 14h56 (horário de Brasília), o papel do banco (ITUB4) registrava avanço de 0,78%, a R$ 30,60.

A XP destacou que os o lucro líquido veio em linha com as suas estimativas e que observou uma melhora na qualidade geral dos resultados, com a inadimplência abaixo do esperado apoiando o melhor desempenho.

Segundo seus analistas, os investidores devem observar que, no semestre, a margem financeira foi positivamente impactada por menores despesas de recursos de mercados interbancários, que vieram abaixo do esperado devido às variações cambiais. “Dito isso, reiteramos nossa classificação neutra e preço alvo de R$28 para o incumbente, principalmente devido à nossa visão sobre a concorrência e disrupção no setor”, disse a XP, em relatório.

Após os resultados, o Credit Suisse reitou sua classificação “outperform” (equivalente à compra), considerando a avaliação atraente, fort impulso de ganhos e projeção de valorização do papel por seus analistas e consenso. A avaliação destacou o forte desempenho da receita no segundo trimestre, impulsionado pela receita líquida de juros (NII) de clientes e taxas sustentando um ROE de 18,9%, forte crescimento de empréstimos em todas as linhas de consumo e no segmento de PMEs, somado ao início da retomada das linhas de crédito rotativo.

“Estamos ainda mais confiantes em um ambiente de forte receita para o Itaú Unibanco, com o cliente NII acelerando ainda mais no segundo semestre. O Itaú Unibanco continua sendo nossa principal escolha no setor financeiro brasileiro”, comentaram os analistas do CS.

O BTG Pactual reiterou a avaliação de compra de Itaú Unibanco, e avalia que a saída da XP do balanço praticamente não teve impacto no índice BIS do banco, mas reduziu o patrimônio líquido em 3%.

“Pelo que entendemos, os acionistas minoritários do Itaú esperam finalmente receber suas ações XP em setembro, pois ainda há alguma burocracia antes da transação finalmente acabar. No total, achamos que foi um trimestre decente, com tendência de melhorias no segundo semestre, disseram os analistas do BTG, em relatório.

A corretora Ativa também viu o resultado dentro do esperado e ressaltou a expansão do lucro na comparação anual, menores despesas com provisão e ROE em patamares pré-covid. Além da expansão da carteira de crédito PF, do aumento da margem financeira com clientes e da revisão para cima do guidance de 2021, mencionou que o nível de inadimplência segue em patamares saudáveis.

“De negativo, destaca-se o impacto de maiores sinistros retidos na operação de seguro e da redução na carteira de crédito total em função do mau desempenho do segmento PJ”, disse a corretora.