2023 foi o ano mais quente já registrado, aponta observatório europeu

281
Foto: Markus Distelrath / Pexels

São Paulo – O observatório europeu Copernicus informou nesta terça-feira que 2023 foi o ano mais quente registrado desde o início das medições em 1850. Segundo a pesquisa anual “Global Climate Highlights”, o ano passado teve uma temperatura média global de 14,98ºC, 0,17ºC superior ao recorde anterior registrado em 2016.

“Um grande número de eventos extremos foi registado em todo o mundo, incluindo ondas de calor, inundações, secas e incêndios florestais”, diz o documento. “As emissões globais estimadas de carbono dos incêndios florestais em 2023 aumentaram 30% em relação a 2022, impulsionadas em grande parte por incêndios florestais persistentes no Canadá”, acrescenta.

Segundo a agência oficial da União Europeia (UE), 2023 foi 1,48ºC mais quente do que o nível pré-industrial de 1850-1900. Além disso, julho e agosto de 2023 foram os dois meses mais quentes já registrados. O verão boreal, que vai de junho a agosto, também foi a estação mais quente já registrada.

Paralelamente, as temperaturas médias globais dos oceanos permaneceram “persistentemente e anormalmente altas”, atingindo níveis recordes durante abril a dezembro. As extensões diárias e mensal do gelo marinho do Ártico atingiram os mínimos históricos em fevereiro de 2023, revelou o relatório.

Olhando para o futuro, o Copernicus prevê que “é provável que o período de 12 meses terminado em janeiro ou fevereiro de 2024 exceda 1,5ºC acima do nível pré-industrial”.

“2023 foi um ano excepcional, com recordes climáticos caindo como dominós. Não apenas 2023 é o ano mais quente registrado, mas também é o primeiro ano em que todos os dias foram mais de 1ºC mais quentes do que o período pré-industrial. As temperaturas durante 2023 provavelmente superam as de qualquer período nos últimos 100 mil anos, no mínimo”, diz Samantha Burgess, Samantha Burgess, vice-diretora do Serviço Copernicus para Alterações Climáticas.