Vendas no varejo caem 1,5% em dezembro ante novembro

09/02/2018 10:07:45

Por: Olívia Bulla / Agência CMA

Foto: USP Imagens

São Paulo – As vendas do comércio varejista restrito, que excluem veículos e material de construção, caíram 1,5% em dezembro em relação a novembro, segundo informações do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A queda é maior que o recuo de 0,5% esperado, conforme a mediana projetada pelo Termômetro CMA.

Na comparação com dezembro de 2016, as vendas no varejo cresceram pelo nono mês consecutivo, em +3,3%, abaixo da mediana das previsões, de +4,50%. Com isso, as vendas no varejo restrito encerraram 2017 acumulando alta de 2,0%, o maior avanço desde 2014. Apenas no quatro trimestre do ano passado, o aumento foi de 3,9% em relação a igual período de 2016.

Entre as oito atividades pesquisadas, seis registraram taxas negativas na passagem de novembro para dezembro, com destaque para os seguintes setores: outros artigos de uso pessoal e doméstico (-6,3%); livros, jornais e papelaria (-4,0%) e hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (-3,0%).

Na outra ponta, chamam atenção os avanços em artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos (+1,2%) e tecidos, vestuário e calçados (+0,5%). Na comparação anual, houve crescimento em quatro das oito atividades pesquisadas.

Os destaques, em relação a dezembro de 2016, ficam com hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (+4,5%) e tecidos, vestuário e calçados (+7,0%), do lado da alta. Do lado da baixa, destaque para combustíveis e lubrificantes (-7,2%) e equipamentos e material para escritório, informática e comunicação (-18,2%).

AMPLIADO

As vendas do varejo ampliado, que incluem veículos e material de construção, caíram 0,8% em dezembro em relação a novembro, com ajuste sazonal. Na comparação com dezembro de 2016, porém, houve alta de 6,4%, no oitavo aumento seguido nesse confronto. Com isso, as vendas no varejo ampliado encerraram 2017 acumulando alta de 4,0%, o melhor desempenho desde 2014.

Em base mensal, o segmento de material de construção teve queda de 1,7% nas vendas, enquanto o segmento de veículos, motos, partes e peças oscilou em baixa de 0,1%. Em relação a um ano antes, as variações dessas atividades foram positivas em +9,1% e +6,4%, respectivamente.

Edição: Gustavo Nicoletta (g.nicoletta@cma.com.br)

Deixar um comentário