Venda no varejo cai 0,3% em junho ante maio; mercado previa +0,10%

10/08/2018 11:24:03

Por: Flávya Pereira / Agência CMA

(Foto: Marcos Santos / USP Imagens)

São Paulo – As vendas do comércio varejista restrito, que excluem veículos e material de construção, caíram pelo segundo mês seguido em junho, em 0,3%, na comparação com maio, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O resultado contrariou a previsão de alta de 0,10%, conforme a mediana projetada pelo Termômetro CMA.

Na comparação com junho de 2017, as vendas no varejo subiram 1,50%, na décima quinta alta consecutiva, mas abaixo da mediana das previsões de
analistas consultados, de alta de 2,20%. Com isso, as vendas no varejo restrito acumulam altas de 2,9% no primeiro semestre e de 3,6% em 12 meses, até junho.

Segundo o IBGE, apesar do resultado negativo, cinco das oito atividades pesquisadas registraram taxas positivas na passagem de maio para junho, com
destaque para móveis e eletrodomésticos (4,6%), e equipamentos e material para escritório, informática e comunicação (4,1%). Contudo, hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo caíram 3,5%, interrompendo dois meses de taxas positivas. O grupo combustíveis e lubrificantes caiu 1,9%.

Na comparação anual, houve crescimento em quatro das oito atividades pesquisadas, com destaque para os hipermercados, supermercados, produtos
alimentícios, bebidas e fumo (+4,1%) e outros artigos de uso pessoal e doméstico (+8,7%). Na outra ponta, destaque para o segmento combustíveis e
lubrificantes, que registrou queda de 11,6%, e livros, jornais, revistas e papelaria (-11,5%).

No primeiro semestre, o resultado foi igualmente influenciado pela alta nas vendas do grupo hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (5,4%) e outros artigos de uso pessoal e doméstico (7,9%).

Entre os locais pesquisados, o comércio varejista restrito recuou em 12 das 27 unidades da federação entre maio e junho, com destaque, em termos de
magnitude, para Roraima (-3,1%), Pernambuco (-2,2%) e Amazonas (-1,8%). Em relação a um ano antes, houve avanço em 23 das 27 unidades da federação, com destaque para Acre (9,7%), Paraíba (8,8%) e Rio Grande do Norte (8,3%).

VAREJO AMPLIADO

As vendas do varejo ampliado, que incluem veículos e material de construção, subiram 2,5% em junho, com ajuste
sazonal, depois de forte queda em maio. Na comparação com um ano antes, houve alta de 3,7%, no décimo quarto aumento seguido nesse confronto.

Com isso, as vendas no varejo ampliado acumulam altas de 5,8% no primeiro semestre e de 6,7% nos últimos 12 meses, até junho. Em base mensal, as vendas de veículos e motos, partes e peças subiram 16,0% no mês, enquanto as vendas na indústria de material de construção subiram 11,6%. Em relação a um ano antes, as vendas cresceram 10,3% no segmento de veículos e +5,2% na  construção.

Segundo o IBGE, o desempenho nas vendas do varejo ampliado foi fortemente influenciado pela recuperação nas vendas de veículos, única atividade do varejo ampliado com crescimento de dois dígitos no acumulado do ano, com alta de 16,4%.

Nos resultados regionais, as vendas do comércio varejista ampliado cresceram em 18 das 27 unidades da Federação em base mensal, com destaque para a Bahia (+4,5%), enquanto na outra ponta as principais quedas foram em Roraima (-2,7%) e Amazonas (-2,2%).

Na comparação com um ano antes, 24 das 27 unidades da federação apresentaram variações positivas, com destaque para Rondônia (+12,1%), Acre
(+9,8%) e Espírito Santo (+8,5%). Na outra ponta, o Distrito Federal teve a maior queda (-10,8%).

Edição: Eliane Leite (e.leite@cma.com.br)

Deixar um comentário