Theresa May propõe novo acordo para Brexit

Por Carolina Pulice

Theresa May, primeira-ministra britânica (Divulgação/Conselho da União Europeia)

São Paulo – A primeira-ministra do Reino Unido, Theresa May, afirmou que vai apresentar ao Parlamento um novo acordo para o Brexit processo de separação da União Europeia (UE) – após semanas de negociações com a oposição para um novo acordo, e depois de ter sua proposta original rejeitada três vezes pela Câmara dos Deputados britânicos.

“Eu ouvi a muitos parlamentares sobre suas preocupações, e por isso faço hoje uma séria oferta. Eu proponho um novo acordo para o Brexit”, afirmou em uma coletiva de imprensa.

Junto com o acordo, a primeira-ministra britânica propôs um segundo plebiscito para a ratificação do acordo, pedido que era considerado polêmico e foi duramente rejeitado nos meses anteriores.

“Eu ouvi com cuidado sobre quem queria um segundo plebiscito. Eu não acredito que essa é um caminho que devemos tomar, mas reconheço o sentimento do parlamento. Por isso o governo vai incluir no acordo um requerimento para realizar um segundo plebiscito. E isso deve acontecer antes do acordo de saída ser ratificado”.

De acordo com May, o parlamento precisa aprovar o acordo antes de colocar em votação um segundo plebiscito. “Para os parlamentares que querem um segundo plebiscito, será necessário um acordo, e portanto um acordo de saída para fazer isso acontecer, então é necessário uma segunda leitura e depois levar ao parlamento”.

O novo acordo contempla questões exigidas pelo partido Trabalhista, como uma lei trabalhista, além do compromisso de manter a legislação e proteção ambiental após a saída da UE.

May disse ainda que o novo acordo propõe um “alinhamento” com a Irlanda do Norte, que deve consentir nas bases comuns para novas regulações que forem adicionadas à solução “backstop” – aquela evita uma fronteira entre as Irlandas, mantendo apenas da Irlanda do Norte na união aduaneira após o Brexit.

“Colocaremos uma emenda para que o governo procure uma alternativa para o backstop até dezembro de 2020”, afirmou a primeira-ministra. “Ao chegar a um acordo, podemos manter barreiras fortes, proteger empregos, e garantir as proteções ambientais. Podemos garantir os desafios na fronteira entre Irlanda e Irlanda do Norte”.

Ela disse que vai se apresentar ao parlamento amanhã, para explicar a nova proposta, e que vai se reunir com parlamentares nas próximas semanas para aproximar o governo da Câmara dos Comuns. O acordo de saída deve ser votado na semana do dia 3 de junho.

WP Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com