Talvez a pressa possa derrotar a reforma da Previdência, diz Maia

26/02/2019 16:58:50

Por: Gustavo Nicoletta / Agência CMA

Brasília – O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, conversa com parlamentares no Plenário ao chegar à Câmara.(Marcelo Camargo/Agência Brasil)

São Paulo – Correr com a tramitação da reforma da Previdência no Congresso pode resultar na rejeição da proposta, visto que o governo federal ainda está montando a base aliada, afirmou o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), durante a CEO Conference do banco BTG Pactual Digital.

Durante o evento, ele disse que espera votar o assunto no plenário da Câmara entre o final de maio e o início de junho, mas ressaltou que o debate sobre o cronograma da votação é secundário. “Você está olhando reforma que vai projetar 10 anos de economia. Talvez a pressa possa derrotar a reforma”, avaliou.

Segundo ele, não haveria problema em perder um ou dois meses a mais com a tramitação da proposta de reforma da Previdência, desde que ela seja aprovada ainda este ano. “A gente está olhando uma coisa de longo prazo com ansiedade de curto prazo”, afirmou.

Ontem, o presidente da Câmara decidiu que só vai montar a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara na semana de 12 de março, o que deve atrasar o início da análise da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) referente à reforma da Previdência. Até então, Maia havia sinalizado que
poderia forçar a instalação da comissão nesta semana para agilizar a tramitação da reforma.

“O prazo para contar sessões vai ser quase o mesmo, vai ser uma diferença de uma sessão, e acho que vai dar tempo de o governo também organizar melhor qual é a base que tem para aprovar a admissibilidade na CCJ. Não dá pra botar de qualquer jeito, porque hoje tem um risco de não ter um resultado favorável para a emenda constitucional”, afirmou ele, ao justificar sua decisão.

Gustavo Nicoletta / Agência CMA ([email protected])

Deixar um comentário