Secretário do Tesouro dos Estados Unidos diz que irá a China no “futuro próximo”

O secretário do Tesouro dos Estados Unidos, Steven Mnuchin. Foto: Stephen Jaffe/ FMI

Por Gustavo Nicoletta

São Paulo, – O secretário do Tesouro dos Estados Unidos, Steven Mnuchin, disse que deve viajar à China no “futuro próximo” para continuar as negociações comerciais entre os dois países. Ele também disse que as conversas na semana passada com o vice-premiê da China, Liu He, sobre o mesmo tema foram “construtivas”.

As declarações de Mnuchin foram feitas no início de uma audiência dele com o Comitê de Apropriações do Senado – colegiado que discute principalmente questões orçamentárias. Durante seu depoimento, ele reconheceu que, apesar do que considera ser progresso nas negociações, ainda há muito trabalho a fazer antes de um acordo comercial entre Washington e Pequim.

Ele acrescentou que o presidente norte-americano, Donald Trump, deve se reunir com o presidente chinês, Xi Jinping, no final de julho, durante a reunião de cúpula do G-20 (grupo que reúne economias mais industrializadas e países emergentes), e disse que o objetivo da ampliação das tarifas de importação aplicadas pelos Estados Unidos a produtos da China é promover um acordo justo entre os dois países.

No momento, os Estados Unidos aplicam uma tarifa de importação de 25% sobre o equivalente a US$ 250 bilhões em produtos importados da China. Até a semana passada, estas tarifas eram ligeiramente menores – de 10% – sobre US$ 200 bilhões destes produtos, mas Trump elevou a alíquota depois de acusar os chineses de voltarem atrás em compromissos assumidos durante as negociações de um acordo comercial.

Ele também prometeu que taxaria outros US$ 325 bilhões em artigos importados da China com a alíquota de 25%, o que significaria a tarifação de praticamente todos os produtos que os Estados Unidos importam do país
asiático.

Os anúncios renovaram a preocupação do mercado com o crescimento da economia mundial e com a guerra comercial entre as duas nações, e levaram os principais índices acionários do mundo a recuar nos últimos dias.