Rússia nega estar ligada a envenenamento de ex-espião russo

13/03/2018 14:47:43

Por: Cristiana Euclydes / Agência CMA

O ministro de Relações Exteriores da Rússia, Sergey Lavrov, durante entrevista coletiva. (Foto: Ministério de Relações Exteriores da Rússia)

São Paulo – A Rússia negou envolvimento no envenenamento de um ex-agente russo, após a primeira-ministra britânica, Theresa May, afirmar ontem que era muito provável que Moscou estivesse por trás do caso e exigir explicações no prazo de um dia.

“Nós ouvimos um ultimato que veio de Londres”, disse o ministro de Relações Exteriores da Rússia, Sergey Lavrov, em uma coletiva de imprensa, de acordo com comunicado do ministério. “Já fizemos uma declaração de que é tudo bobagem. Não temos nada a ver com isso”.

Segundo a premiê britânica, o ex-espião duplo russo Sergei Skripal e sua filha Yulia foram envenenados na semana passada com um agente nervoso de uso militar do tipo “Novichok”, originalmente desenvolvido pela Rússia. Caso Moscou não se explique, o Reino Unido concluirá que o envenenamento equivale a um uso ilícito da força pelo Estado russo contra os britânicos.

“A Rússia não é culpada. A Rússia está pronta para cooperar de acordo com a Convenção sobre a Proibição de Armas Químicas, se o Reino Unido cumprir suas obrigações internacionais sob o mesmo instrumento”, disse Lavrov.

Segundo ele, a convenção diz que em caso de suspeitas do uso de uma substância venenosa proibida, o país acusado tem dez dias para responder. Além disso, o Reino Unido deve fornecer a substância em questão para análise da Rússia e abrir os detalhes da investigação, porque se trata de um cidadão russo. De acordo com Lavrov, essas demandas não foram atendidas pelos britânicos.

Edição: Pâmela Reis (pamela.reis@cma.com.br)

Deixar um comentário