RADAR DO DIA: Atenção a Previdência, exterior e ações ligadas à commodities

10/01/2019 10:21:02

Por: Leandro Tavares / Agência CMA

São Paulo – Após otimismo de alguns dias com relação ao mercado externo, diante de possíveis avanços nas negociações comerciais envolvendo Estados Unidos e China, os investidores mostram-se preocupados pela possível desaceleração da economia chinesa, a política monetária nos Estados Unidos e a paralisação do governo norte-americano que chega ao vigésimo dia.

Ontem, o presidente Donald Trump abandonou uma reunião na Casa Branca com a presidente da Câmara, Nancy Pelosi, e o líder da minoria democrata no Senado, Chuck Schumer, afirmando que foi perda de tempo.

Do lado interno, os investidores devem continuar de olho nos avanços com relação a reforma da Previdência. De acordo com o ministro-chefe da Civil, Onyx Lorenzoni, o presidente Jair Bolsonaro deve receber na próxima semana a proposta para a aposentadoria.

No segmento corporativo, a Petrobras informou que iniciou o procedimento de pré-qualificação para arrendamento das fábricas de fertilizantes, localizadas em Sergipe e na Bahia, que visa habilitar as empresas interessadas a participar de licitações futuras destinadas ao arrendamento das unidades, incluindo os terminais marítimos de amônia e ureia no Porto de Aratu (BA).

A agência de classificação de risco Moody’s disse que o crescimento econômico mais forte e as baixas taxas de juros impulsionarão os negócios pró-cíclicos da B3, que continuará a reportar resultados e geração de fluxos de caixa muito fortes, o que reduzirá ainda mais os índices de alavancagem financeira, suportando o seu rating ‘Ba1’.

A Companhia Energética de São Paulo (Cesp) finalizou a emissão de R$ 1,8 bilhão referente à 11 emissão de debêntures da companhia, com vencimento em 19 de dezembro de 2025. Os recursos captados pela companhia por meio da emissão serão destinados ao pagamento da outorga de renovação da hidrelétrica Porto Primavera.

A Transmissora Aliança de Energia Elétrica (Taesa) informou que terminou o prazo para que credores da subsidiária ATE III Transmissora de Energia Elétrica se manifestarem sobre a redução de capital da companhia. Não houve registro de oposição à operação. Deste modo, pela proposta feita pela Taesa, haverá redução do capital social da subsidiária de R$ 588,5 milhões para R$ 448,5 milhões.

A Taesa informou, ainda, que recebeu do Instituto do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Inema) a licença de instalação para iniciar obras para a construção de linha de transmissão na Bahia.

Deixar um comentário