Prejuízo da BRF cai 15,03% no 1º tri

Por Allan Ravagnani

Pedro Parente, presidente da BRF. (Foto: Leandro Tavares/Agência CMA)

São Paulo – A processadora de alimentos BRF teve prejuízo líquido de R$ 113 milhões no primeiro trimestre do ano considerando apenas as operações que ainda estão sob controle da empresa, queda de 15,03% em relação ao mesmo período do ano passado. O prejuízo líquido total societário somou mais de R$ 1 bilhão no trimestre, em consequência da redução do volume vendido, especialmente com as restrições da Arábia Saudita no início do ano.

No total, foram cerca de 80 mil toneladas comercializadas a menos do que o primeiro trimestre de 2018. A receita líquida da empresa cresceu 4,7% no trimestre, na mesma base, para R$ 7,359 bilhões. A alta da receita reflete o aumento de preços do segmento Brasil e do segmento Halal.

O ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) em termos ajustados aumentou 9,3%, para R$ 748 milhões, também refletindo a maior rentabilidade nos mercados Halal e Brasileiro através da política de reajuste de preços e ampliação do mix de produtos.

As despesas com vendas aumentaram 11% no trimestre na comparação anual, resultado de maiores despesas de marketing, já que no ano passado houve postergação de alguns investimentos das marcas para o segundo trimestre, dado o patrocínio da BRF para o campeonato mundial de futebol e os aumentos das despesas de frete no mercado internacional por conta da desvalorização cambial.

O volume de vendas da BRF no trimestre caiu 7,3%, para 1,006 milhão de toneladas. O preço médio (ROL) ficou em R$ 7,32 alta de 12,9% no trimestre, contabilizando um ROL de R$ 7,359 bilhões no trimestre, alta de 4,7% No Brasil, o volume de vendas caiu 6,9%, a 508 mil toneladas, com ROL médio de R$ 7,76 por quilo, 12,9% maior ante o ROL médio do mesmo período do ano anterior, totalizando ROL de 3,940 milhões no período.

Na divisão internacional, o volume de vendas caiu 9,6%, a 429 mil toneladas, com preço médio 14,5% maior, de R$ 7,44 por quilo. A receita operacional líquida na região cresceu 3,6%, a R$ 3,194 bilhões. Já o mercado Halal, terceiro maior mercado para a BRF, as vendas caíram 2,7%, a 270 mil toneladas, com preço médio 14,9% maior, de R$ 7,62 por quilo. A receita operacional líquida na região cresceu 11,8%, a R$ 2,058 bilhões.

Alavancagem

Ao fim do primeiro trimestre, a dívida líquida da empresa somava R$ 14,238 bilhões, ou o equivalente a 5,64 vezes o ebitda. No final do trimestre anterior, a dívida era de R$ 15,610 bilhões, o equivalente a 5,12 vezes o ebitda. Um ano antes, a dívida estava em R$ 14,019 bilhões, ou 5,39 vezes o ebitda.

WP Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com