Mix de carteira do Bradesco não muda na rapidez assinalada por banco

26/07/2018 19:20:59

Por: Camila de Lira / Agência CMA

Bradesco

Foto: Marcos Santos/USP Imagens

São Paulo – A mudança no mix da carteira de crédito do Bradesco, com o foco no crédito consignado, imobiliário e de veículos no portfólio de pessoa física, não ocorreu no segundo trimestre de 2018 como a diretoria tem assinalado nas últimas falas com a imprensa e com analistas.

Esses tipos de crédito são considerados os de menor risco dentro do segmento de pessoa física, exceto o de veículos, e, segundo o diretor-presidente do Bradesco, Octavio de Lazai, é onde o banco deve ligar o
seu crescimento. “Crescemos de forma consistente nas carteiras que devem crescer, crédito imobiliário, consignado e de veículos”, comentou em apresentação na teleconferência de resultados.

Na comparação trimestral, houve queda da participação do crédito consignado no total da carteira, de 9,3% para 9%; na mesma base de comparação,o crédito imobiliário caiu de 7% para 6,9% do total da carteira, enquanto o financiamento de veículos foi de 4,4% para 4,3% da carteira.

Na comparação anual, a alta da participação desses segmentos foi pequena, o crédito consignado passou de 8,3% do total para 9%; o crédito imobiliário foi de 6,67% da carteira expandida para 6,9% e o de veículos foi de 3,9% para 4,6%. No mesmo período, o crédito pessoal também subiu de 3,4% para 3,6% do total, enquanto a carteira indicada como “outras’, que conta com financiamentos mais caros como cheque especial foi de 5,6% para 5,1%.

O presidente do banco, Lazari afirmou em conferência com imprensa que a carteira de imóvel está em crescimento e a de crédito consignado também, trazendo uma mudança no mix da carteira do banco, que poderá levar a ganho na margem financeira.

“Está mantida a tendência de mudança de mix na carteira de crédito do varejo, com isso, podemos começar a ir um pouco melhor em termos de margem financeira e de margem de crédito”, afirmou o diretor de relações com o mercado, Carlos Firetti.

Edição: Eduardo Puccioni (e.puccioni@cma.com.br)

Deixar um comentário