MERCADO AGORA: Veja um sumário do comportamento dos negócios até o momento

14/09/2018 13:38:32

Por: Eduardo Puccioni / Agência CMA

São Paulo – O Ibovespa se recupera da queda de ontem e tem operado em alta até o início da tarde de hoje influenciado pelo cenário externo, após a China divulgar dados mais positivos sobre sua economia, além da redução da preocupação em torno da guerra comercial do país asiático com os Estados Unidos. Isso tem beneficiado o desempenho das ações da Vale.

No ambiente interno, a preocupação com o cenário político ainda preocupa, deixando os investidores cautelosos, ainda mais pela espera da divulgação, na noite de hoje, de outra pesquisa do Datafolha de intenção de votos para presidente, além da entrevista do candidato do PT, Fernando Haddad, ao “Jornal Nacional”. Por volta das 13h30 (horário de Brasília), o Ibovespa registrava alta de 0,16% aos 74.808,04 pontos.

As bolsas norte-americanas ensaiam um movimento de alta hoje depois das sinalizações da retomada de conversas entre os Estados Unidos e a China. O país asiático também divulgou uma série de indicadores, como da produção industrial, e o minério de ferro subiu na Bolsa chinesa de Dalian, fatores que impulsionam os papéis da Vale (VALE3 2%), com o melhor desempenho entre as blue chips no momento.

No Brasil, no entanto, a corrida eleitoral ainda inspira cautela. A pesquisa da XP/Ipespe mostrou um avanço de Jair Bolsonaro (PSL), que segue firme na primeira posição, mas também mostrou melhor desempenho de Haddad mesmo no cenário em que não é apontado como o candidato do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

“O mercado está operando no dia a dia, compra hoje para vender amanhã, pois tudo indica que estamos caminhando para um segundo turno que o mercado não queria, com Bolsonaro e Haddad ou Ciro [Gomes, do PDT]”, disse o economista da Órama Investimentos, Alexandre Espírito Santo. Para ele, investidores aguardam agora para ver se o levantamento do Datafolha, com maior, peso irá confirmar esse cenário.

No mercado de câmbio, o dólar comercial apresentou volatilidade na manhã de hoje após encerrar a sessão de ontem em sua máxima histórica desde a criação do Plano Real. A cautela dos investidores com a cena política segue no radar, trazendo essa volatilidade ao mercado.

“Mesmo com um viés positivo no mercado internacional, o cenário eleitoral não traz conforto para os investidores”, afirma o chefe da mesa de câmbio de uma corretora estrangeira. Segundo ele, o mercado doméstico de câmbio aguarda a divulgação do Datafolha sobre a corrida presidencial, o que traz “um tom mais defensivo”.

Um diretor de operações de uma corretora nacional afirma que os investidores já digerem os números de uma pesquisa privada. Ele se refere ao levantamento semanal da XP/Ipespe, que mostram que Jair Bolsonaro foi o único candidato a crescer fora da margem de erro, ainda sob efeito da comoção após o ataque a faca em ato de campanha, enquanto os candidatos de esquerda, Ciro Gomes e Fernando Haddad, oscilaram em alta.

A volatilidade da moeda norte-americana nas negociações de hoje deixou os contratos futuros de juros operando sem uma direção definida na primeira parte da sessão. Os investidores monitoram o comportamento do dólar e também as ações de política monetária dos bancos centrais de países emergentes, às vésperas da reunião do Comitê de Política Monetária (Copom). O cenário eleitoral brasileiro também tem influenciado no desempenho das taxas.

Deixar um comentário