MERCADO AGORA: Veja um sumário do comportamento dos negócios até o momento

Por Gustavo Nicoletta

São Paulo – As condições mais favoráveis no Congresso para a aprovação de propostas apresentadas pelo governo mantêm o clima positivo no mercado brasileiro no início da tarde e contribuem para que o Ibovespa opere em alta e o dólar perca força ante o real.

Por volta das 13h30 (de Brasília), o Ibovespa subia 0,45%, aos 94.911 pontos, enquanto o contrato futuro do índice com vencimento em junho avançava 0,23%, aos 95.200 pontos. No mercado de câmbio, o dólar comercial caía 0,44% no mercado à vista, a R$ 4,0310, enquanto o contrato futuro da moeda com vencimento em junho recuava 0,24%, aos R$ 4.033,50.

Mais cedo, o Ibovespa chegou a operar em baixa, com investidores recolhendo ganhos obtidos nas últimas sessões, mas “quando fica interessante, já voltam a comprar”, disse o analista de investimentos do Banco Daycoval, Enrico Cozzolino.

Além de aproveitar o momento para embolsar lucros, o analista acredita que há uma maior cautela com o exterior hoje, já que a guerra comercial entre China e Estados Unidos tem se mostrado cada vez mais uma guerra tecnológica e sem data para acabar.

No cenário doméstico, o mercado viu com bons olhos o acordo entre deputados para votar MPs previstas para perder a validade, como a 863/2018, que autoriza até 100% de capital estrangeiro em companhias aéreas com sede no Brasil. O texto foi aprovado ontem na Câmara e deve ser votado hoje no Senado.

Além disso, a MP 870, que reorganizou a estrutura do Poder Executivo e reduziu o número de ministérios, também deve ser votada hoje, desta vez pela Câmara, preservando alguns pontos considerados importantes pelo governo – entre eles o número de ministérios determinado pelo Palácio do Planalto.

Cozzolino acredita que a relação entre o governo e o Congresso pode continuar com altos e baixos. “As votações são muito importantes, trazem um viés positivo, avanço de medidas, mas acho que pode ser uma característica desse governo esses desencontros com o Congresso”, disse.

Operadores das mesas de renda fixa e derivativos afirmam que a decisão da Câmara dos Deputados de destravar a pauta cria um sentimento mais positivo nos negócios locais. “Com esse aceno dos parlamentares, os ativos têm mais um dia de valorização”, comentou um profissional, de uma corretora estrangeira.

No mercado de juros, as taxas de Depósito Interfinanceiro (DI) operam em queda, mas perto da estabilidade. O contrato para janeiro de 2020 tinha taxa de 6,405%, de 6,415% no ajuste de ontem; o DI para janeiro de 2021 estava em 6,86%, de 6,87% após o ajuste anterior; o DI para janeiro de 2023 projetava taxa de 8,02%, de 8,05%.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.