IGP-DI cai pelo 2º mês seguido, mas menos que o esperado

08/01/2019 08:20:43

Por: Olívia Bulla / Agência CMA

varejo

Foto: USP Imagens

São Paulo – O Indice Geral de Preços – Disponibilidade Interna (IGP-DI) caiu pelo segundo mês consecutivo em dezembro, em -0,45% em relação a novembro, quando recuou 1,14%, na mesma base de
comparação. Com o resultado, o indicador encerrou 2018 acumulando alta de 7,10% no ano (e nos últimos 12 meses, até o mês passado).

A queda mensal é menor que a mediana das estimativas coletadas pelo Termômetro CMA, de -0,72%, ao passo que a previsão para a taxa acumulada em 12 meses era menor, de +6,78%, também segundo o Termômetro CMA. As informações foram divulgadas pela Fundação Getulio Vargas (FGV).

Entre os indicadores que compõem o IGP-DI, o Indice de Preços ao Produtor Amplo (IPA) reduziu a queda de 1,70% em novembro e caiu 0,82% no mês passado. Já o Indice de Preços ao Consumidor (IPC) apagou a queda de 0,17% em novembro e subiu 0,29% em dezembro. Por sua vez, o Indice Nacional de Custo da Construção (INCC) manteve o ritmo e subiu 0,13% em dezembro, repetindo a alta apurada no mês anterior.

No âmbito do IPA, o subíndice relativo aos bens finais apagou a queda de 1,01% e subiu 0,62%, em base mensal, sendo que a maior influência veio do subgrupo combustíveis para o consumo, cuja taxa passou de -15,17% para -3,02%. O subíndice de bens intermediários teve queda de 1,74%, de -2,44%, e o das matérias-primas brutas passou de -1,59% para -1,38%, no mesmo período.

Já nos itens de origem, ainda no IPA, os produtos agropecuários reduziram a queda de 2,41% em novembro para -0,73% em dezembro, assim como os produtos industriais, que passaram de -1,47% para -0,85%, na mesma comparação. No IPC, cinco das oito classes de despesa apresentaram acréscimo na taxas de variação de preços.

A maior contribuição veio do grupo Habitação (de -0,94% para +0,20%), com destaque para o item tarifa de eletricidade residencial, cuja taxa passou de -5,98% para -1,27%. Na construção civil, o índice relativo a materiais, equipamento e serviços subiu 0,23% no mês passado, de +0,29% no mês anterior, enquanto o custo da mão de obra passou de estabilidade para +0,06%, na mesma base de comparação.

Deixar um comentário