Ibovespa fecha estável mesmo após rebaixamento pela S&P

12/01/2018 20:05:35

Por: Danielle Fonseca / Agência CMA

São Paulo – O Ibovespa fechou em ligeira queda de 0,02%, ao 79.349,12 pontos, mesmo após a agência de classificação de riscos S&P Global Ratings rebaixar a nota de crédito do Brasil, de BB para BB-. As perdas foram limitadas por apostas de alguns investidores de que a reforma da Previdência ainda possa ser aprovada em fevereiro.

“Há uma expectativa de que o governo possa usar o rebaixamento do Brasil como mais um argumento para passar a reforma da Previdência, tanto que o mercado não reagiu tanto e continua comprado”, disse o economista da Codepe Corretora, José Costa.

Segundo a S&P, o rebaixamento da nota de crédito do Brasil anunciado ontem incorpora, além da perspectiva de ajuste lento nas contas públicas, eventuais derrapadas ou ações dúbias do governo em relação ao controle dos gastos.

Para os analistas da Lerosa Investimentos, de fato, o rebaixamento “alimenta expectativa de celeridade e urgência junto à classe política para aprovação da reforma da Previdência”, mas não deixa de ser uma derrota para o governo, que tentou, pelo menos, postergar o movimento da agência.

Analistas também destacam que o cenário externo benigno, com bolsas norte-americanas renovando recordes, continua favorecendo uma tendência de alta por aqui.

Entre as ações, as de siderúrgicas continuaram favorecendo o Ibovespa, com as da Gerdau Metalúrgica (GGBR4 2,54%) e da Usiminas (USIM5 2,04%) entre as maiores altas, ainda refletindo recomendações positivas e reajustes do preço do aço.

Para semana que vem, investidores ainda veem o Ibovespa com viés de alta, mas com menor ímpeto. “É preciso lembrar que o Ibovespa já subiu muito neste início de ano e pode ficar mais próxima da estabilidade”, disse o economista da Codepe.

Edição: Gustavo Nicoletta (g.nicoletta@cma.com.br)

 

Deixar um comentário