Guaidó convoca manifestações contra violência do governo de Maduro

Por Carolina Pulice

O presidente da Assembleia Nacional da Venezuela, Juan Guaidó. (Foto: Divulgação/Assembleia Nacional)

São Paulo – O autoproclamado presidente interino da Venezuela, Juan Guaidó, convocou novas manifestações para esta semana, após acusar o governo de Nicolás maduro de torturar e assassinar um soldado dissidente.

“No dia 5 de julho, [na comemoração] dos 208 anos de nossa independência, vamos mobilizar todos os estados da Venezuela com a Força Armada, ONU e comunidade internacional para exigir o fim das torturas, assassinatos, violações de direitos humanos e interferência cubana. Em Caracas desde a PNUD até a DGCIM”, afirmou pelo Twitter.

A convocação das manifestações ocorrem um dia após o governo interino do país ter acusado as Forças Armadas, controladas pelo governo de Maduro, de torturar e assassinar o capitão Rafael Acosta. Ele teria sido sequestrado e torturado por grupos do governo de Maduro. “O homicídio do capitão Acosta é um fato abominável que marca um ponto máximo da tortuosa situação em que está submetida a família militar venezuelana”, afirmou a presidência interina do país.

A Venezuela enfrenta grave crise política, econômica e social, com a oposição convocando manifestações e exigindo a saída de Maduro do poder, além da convocação de eleições gerais.